NUNCA MAIS PASSE RAIVA POR NÃO CONSEGUIR RESOLVER UM PROBLEMA COM O EXCEL - GARANTIDO!

UNIVERSIDADE DO VBA - Domine o VBA no Excel Criando Sistemas Completos - Passo a Passo - CLIQUE AQUI

Você está em: PrincipalArtigosLinux : Linuxbasico010
Quer receber novidades e e-books gratuitos?

Linux Básico – Parte X

 

6 – Sistema de Arquivos

 

Quando nos referimos a um sistema UNIX, poderíamos dizer que qualquer coisa dentro do sistema  é um arquivo.  O que não é arquivo é um processo.

 

Embora haja vários tipos de arquivos com finalidades especifícas dentro do sistema e que podem ser considerados mais do que simples arquivos; named pipes e sockets são um bom exemplo disso; poderíamos dizer acertadamente que o sistema trata tudo como arquivo. Não há diferença para o sistema portanto entre um arquivo e um diretório já que um diretório nada mais é do que um arquivo contendo uma lista de arquivos.

 

Do ponto de vista funcional, poderíamos dividir os arquivos em duas categorias, os arquivos regulares (texto, imagem, planilhas, programas, etc...) e os arquivos ditos especiais (named pipes, sockets, dispositivos, etc...).

 

Abaixo listamos os mais comuns:

 

Diretórios – Arquivo que contém uma lista de outros arquivos

 

Arquivos Especiais – Mecanismo usado para entrada / saída. Eles estão no /dev.

 

Links – Método utilizado para fazer um arquivo ou diretório visível em outras partes da árvore que compoe o sistema de arquivos.

 

Sockets – Tipos de arquivos voltados para a comunicação entre processos dentro de uma rede.

 

Named Pipes – Similar aos sockets, se diferenciando destes apenas quanto a forma utilizada para a comunicação entre os processos.

 

Uma maneira de visualizar e saber com que tipo de arquivo estamos lidando, é através do comando “ls –l”.

 

Nos tutorials anteriores quando digitávamos o comando obtínhamos como resultado algo do tipo abaixo.

 

Figura 40 – Saída de um comando ls

 

Observe o primeiro caractere de cada linha à esquerda, “d” indica que estamos diante de um diretório e “-“ de um arquivo. Além destes temos ainda:

 

 

Vá para o diretório /dev e digite “ls –l | more” para ver uma amostra dos outros tipos.

 

Figura 41 – Amostra de tipos de arquivos

 

Figura 42 – Amostra de tipos de arquivo – Cont.

 

Uma outra forma seria usando a opção “F” do comando ls. A saída diferencia diretórios, links, arquivos,  usando símbolos como: /, @, |  , veja um exemplo:

 

Figura 43 – Saída de um comando “ls –F” dentro do dir /dev.

 

» Assim, os nomes que terminam por “/” são diretórios, os que terminam por “@” são links, os que terminam com “|“ são blocos.

 

Como usuário você só vai precisar se preocupar com arquivos regulares, diretórios e links.

 

6.1 – Segurança de arquivos

 

No linux cada arquivo tem um dono que pode ser um único usuário ou um grupo de usuários. Para cada grupo de usuários permissões de acesso podem ser permitidas ou negadas. Existem arquivos que não podem ser acessados e/ou alterados por determinado grupo de usuários, tais como os arquivos de sistema e configuração. Isso é necessário para que a integridade do sistema seja mantida.

 

Para visualizar as permissões setadas em arquivos, utilizamos o comando ls.

 

Figura 44 – Visualizando permissões

 

Observe que após o primeiro caractere de cada linha existem mais 9. Esses nove (divididos em grupos de 3) mostram as permissões de leitura (r), escrita (w) e/ou execução (x) setadas da seguinte forma:

 

 

Logo tendo por base a saída do comando ls da figura 44, teríamos a seguinte leitura:

 

- O usuário curso e o grupo curso tem permissão de leitura e escrita para todos os arquivos do diretório

 

- Os outros usuários tem permissão de somente leitura.

 

» o “-“ significa que negação para aquele tipo de permissão.

 

6.1.2 – Mudando permissões

 

Em alguns casos pode ser conveniente mudar as permissões de um arquivo ou grupo de arquivos. Imagine o caso de arquivos confidenciais que não deveriam ser acessados por qualquer usuário. Usamos o comando chmod para mudar as permissões, ele pode ser usado tanto com argumentos literais ou numéricos conforme veremos a seguir.

 

Sintaxe: chmod [codigos de acesso] [arquivo ou diretório]

 

O chmod suporta o uso de metacaracteres.

 

Os códigos de acesso estão descritos nas tabela abaixo:

 

 

Linux para Usuários - Básico
Instalando o Red Hat Linux
Introdução ao Linux
Comandos Básicos - Parte 1
Comandos Básicos - Parte 2
Comandos Básicos - Parte 3
Comandos Básicos - Parte 4
Edição de Texto - Parte 1
Edição de Texto - Parte 2
Edição de Texto com o vi - Parte 1
Edição de Texto com o vi - Parte 2
Sistema de Arquivos
Usando a forma literal
Processos - Parte 1
Processos - Parte 2 - Comandos
Processos - Parte 3 - Mais Comandos
Redirecionamento e Operadores
O Comando Grep
Configurações do Ambiente
Arquivos do Setup do Shell e o "/etc/profile"
Configurações de Rede
Comandos de Rede
Comandos de ftp e Instalação do lynx
Utilização e Configurações do Lynx
Instalação e Utilização do Browser Elinks
Parte 1 - A história do Linux
Parte 2 - As Distribuições Linux
Ubuntu Linux - Parte 2 - Conhecendo e Instalando o Ubuntu Linux - Parte 1
Ubuntu Linux - Parte 3 - Conhecendo e Instalando o Ubuntu Linux - Parte 2
Faça a sua declaração de imposto de renda com Linux
Linux para Administradores - Básico
Novidades sobre o Mandriva 2006
Configurando o Ambiente Gráfico no Linux
Instalando o Mandriva – Parte 1
Instalando o Mandriva – Parte 2
Instalando o Mandriva – Parte 3
Instalando o Mandriva – Parte 4
Ubuntu Linux - Parte 1 - Obtendo os CDs do Ubuntu gratuitamente
Mandriva Linux – Repositório com URPMI
Aprenda NFS e instale o Linux via Rede
Configurando um servidor de horas no Linux e Windows
Configure o Raid no Linux – Prático
Configurando o Red Hat Para ser Acessado Remotamente em Modo Gráfico
Instalando e configurando o Tomcat no Linux com Java - Prático
Mandriva Linux – Gerenciador de Pacotes - Usando o URPMI - Parte 1
Mandriva Linux – Gerenciador de Pacotes - Usando o URPMI - Parte 2
Gerenciando o Windows a partir do Linux
Gerenciando o Linux a partir do Windows
Configurando aplicações JSP via browser com o Tomcat
CACIC
CACIC - O que é o CACIC?
CACIC - Fazendo o download do CACIC
CACIC - Descompactando os arquivos do CACIC e Configurando o MySQL
CACIC - Configurando o php e ftp no Linux
CACIC - Configurando o Gerente do CACIC

 

Quer receber novidades e e-books gratuitos?

Contato: Telefone: (51) 3717-3796 | E-mail: webmaster@juliobattisti.com.br | Whatsapp: (51) 99627-3434

Júlio Battisti Livros e Cursos Ltda | CNPJ: 08.916.484/0001-25 | Rua Vereador Ivo Cláudio Weigel, 537 - Universitário, Santa Cruz do Sul/RS, CEP: 96816-208

Todos os direitos reservados, Júlio Battisti 2001-2021 ®

[LIVRO]: MACROS E PROGRAMAÇÃO VBA NO EXCEL 2010 - PASSO-A-PASSO

APRENDA COM JULIO BATTISTI - 1124 PÁGINAS: CLIQUE AQUI