[MEU 50º LIVRO]: BANCOS DE DADOS E ACESS - CURSO COMPLETO - DO BÁSICO AO VBA - 1602 páginas

Páginas: 1602 | Autor: Júlio Battisti | 40% de Desconto e 70h de Vídeo Aulas de Bônus

Você está em: PrincipalArtigosSQL Server 2005 › Capítulo 09 : 02
Quer receber novidades e e-books gratuitos?
›››
« Lição anterior Curso Completo de SQL Server 2005 - Júlio Battisti Δ Página principal Curso Completo de SQL Server 2005 - Júlio Battisti ¤ Capítulos Curso Completo de SQL Server 2005 - Júlio Battisti Próxima lição »
SQL Server 2005 - CURSO COMPLETO
Autor: Júlio Battisti
Lição 134 - Capítulo 09 - OS TIPOS DE INTEGRIDADE DE DADOS EXISTENTES NO SQL SERVER 2005

Garantir a integridade dos dados, significa termos dados confiáveis armazenados no Banco de Dados, em resumo, dados de qualidade. No Books OnLine, encontramos a seguinte definição de integridade de dados:

“Integridade dos dados é um estado no qual todos os dados armazenados no Banco de Dados, estão corretos. Se valores incorretos foram armazenados no Banco de Dados, dizemos que o banco de dados perdeu a Integridade dos dados.”

Por exemplo, não devemos permitir que sejam inseridos dois pedidos com o mesmo número de pedido ou dois funcionários com o mesmo número de matrícula. Também não devemos aceitar que sejam cadastrados produtos para uma categoria de produtos que não existe na tabela Categorias. Outro exemplo de dado incorreto é um dado que está fora de uma faixa permitida. Por exemplo, a entrada de um valor um 1.000.000.000 em um campo valor da hora extra.

Para garantir que estes tipos de incorreções não aconteçam, é que o SQL Server 2005 disponibiliza uma série de elementos que nos ajudam a garantir a Integridade dos dados.

No SQL Server 2005, temos os seguintes tipos de Integridade de dados:

  • Integridade de Domínio (Domain Integrity): Este tipo de integridade também é conhecido como Integridade de Coluna e define o conjunto ou faixa de valores que são aceitáveis para um determinado campo de uma tabela. Temos vários mecanismos para impor este tipo de integridade. Por exemplo, ao definirmos o tipo de um campo como sendo numérico, já estamos impedindo que sejam digitados valores de texto neste campo. O tipo de campo – integer, double, etc. – também define uma faixa de valores aceitáveis. Também podemos utilizar Constraints para impor Integridade de Domínio. Podemos definir uma Constraint que somente aceita, os valores 1, 2 ou 3 em um determinado campo. O conceito de Constraint é semelhante ao conceito de regra de validação, o qual é utilizado no Microsoft Access.
  • Integridade de Entidade (Entity Integrity): Este tipo de integridade está relacionada com a definição de uma Chave Primária para a tabela. Lembrando que um campo do tipo Chave Primária não pode conter valores repetidos. Por exemplo, se definimos o campo CPF como sendo a Chave Primária da tabela Clientes, não podemos cadastrar dois clientes com o mesmo número de CPF, isto é, não podemos ter valores repetidos neste campo.
  • Integridade Referencial: Conforme explicamos no Capítulo 1, a Integridade Referencial faz com que o SQL Server impeça que algumas ações sejam executadas e força a execução de outras ações. Para clarear este conceito, vamos considerar o exemplo da Figura 9.5.

Curso Completo de SQL Server 2005 - Júlio Battisti
Figura 9.5 Relação entre as tabelas Pedidos, Clientes e Detalhes do pedido.

Temos dois relacionamentos. Um relacionamento do tipo Um para Vários entre as tabelas Pedidos e Detalhes do pedido, ou seja, Um pedido pode conter Vários itens. Temos um outro relacionamento do tipo Um para Vários entre as tabelas Clientes e Pedidos, ou seja, Um cliente pode fazer vários pedidos. A Integridade Referencial pode evitar as seguintes situações:

  • Que sejam adicionados registros em uma tabela relacionada (lado Vários), sem que tenha sido adicionado o registro relacionado na tabela primária (lado Um). No nosso exemplo, isto evita que sejam adicionados itens na tabela Detalhes do pedido, para um pedido que ainda não tenha sido cadastrado na tabela Pedidos. Ou que seja adicionado um pedido para um Cliente que ainda não foi cadastrado na tabela Clientes.
  • Alteração de valores na tabela primária (lado Um), deixando “registros órfãos” na tabela relacionada (lado Vários). No nosso exemplo, ao alterarmos o número do pedido na tabela Pedidos, o campo NúmeroDoPedido dos itens relacionados, na tabela Detalhes do pedido, será também atualizado. Este mecanismo é conhecido como Atualização em Cascata, no Microsoft Access. Ou ao alterarmos o código do cliente, na tabela Clientes, o respectivo código também será atualizado em todos os pedidos efetuados pelo cliente, na tabela Pedidos.
  • Impedir que sejam excluídos registros na tabela primária (lado Um), se existirem registros correspondentes na tabela relacionada (lado Vários). Por exemplo, impedir que seja excluído um pedido na tabela Pedidos, para o qual ainda existam itens na tabela Detalhes do pedido. No Microsoft Access, existe um mecanismo chamado Exclusão em Cascata. Quando este mecanismo é ativado, se excluirmos o registro na tabela primária, todos os registros correspondentes, na tabela relacionada serão também excluídos.

Uma outra característica interessante é que a integridade pode ser definida pelo usuário. O usuário pode definir regras personalizadas de integridade, em atendimento às necessidades de uma ou mais aplicações. Por exemplo, podemos definir uma regra que impeça funcionários de uma determinada categoria, de aprovarem parcelamentos acima de um determinado valor. Estas regras podem ser implementadas com o uso de Constraints, Stored Procedures e Trigguers. Aprenderemos sobre Constraints e Triggers neste capítulo e sobre Stored Procedures no próximo capítulo.

Know-how em: Criação e Teste de Constraints no SQL Server 2005

Pré-Requisitos:

  • Fundamentos apresentados na Parte I.
  • Saber utilizar a janela de execução de comandos T-SQL.
  • Noções sobre Integridade de dados e os tipos de integridade de dados existentes no SQL Server 2005.

Metodologia:

  • Apresentação do conceito de Constraint e dos procedimentos para a criação e teste de Constraints.

Técnica:

  • Utilização da janela de execução de comandos T-SQL para a criação e teste de Constraints.

A utilização de Constraints, para garantir a Integridade dos dados, é o método recomendado pela própria Microsoft. Com a utilização de Constraints, a Integridade dos dados é garantida automaticamente. Podemos utilizar Constraints para limitar os valores que podem ser inseridos em uma determinada coluna (Integridade de domínio) e também para garantir o relacionamento entre tabelas (Integridade referencial). Uma Constraint que atua somente sobre uma coluna, é chamada de “column Constraint”, já uma Constraint que atua sobre duas ou mais colunas, é conhecida como “table Constraint”.

Na Tabela 9.2, temos um resumo dos diversos tipos de Constraints.

Tipo Descrição
DEFAULT Define um valor a ser atribuído a uma coluna, caso não tenha sido digitado nenhum valor para esta coluna. Por exemplo, se a maioria dos clientes é da cidade de São Paulo, podemos definir um valor padrão São Paulo para o campo cidade. Com isso se não for especificado um valor diferente, o campo cidade conterá o valor São Paulo, para cada novo registro que for criado na tabela Clientes. Este é um tipo de Integridade de domínio. No Microsoft Access, esta propriedade é chamada de Valor padrão.
CHECK Define uma regra de validação para o campo. Por exemplo, podemos definir que o campo Salário não pode conter valores maiores do que R$ 7.000,00. Este é um tipo de Integridade de domínio. No Microsoft Access, esta propriedade é chamada de Regra de Validação.
PRIMARY KEY Define um campo como sendo Chave Primária da tabela. Não serão permitidos valores repetidos ou nulos (NULL), neste campo. Ao definirmos um campo como Chave Primária, é criado um Clustered Index neste campo.
FOREIGN KEY Define um campo como Chave Estrangeira. Lembrando que a Chave Estrangeira é um campo ou conjunto de campos em uma tabela secundária, relacionados com uma Chave Primária em uma tabela primária. Por exemplo, o campo CódigoCliente, na tabela Pedidos é uma Chave Estrangeira, relacionada com o campo Chave Primária CódigoCliente, na tabela Clientes.
UNIQUE Não permite valores duplicados em um determinado campo, porém valores nulos são aceitos. Um índice é  criado para melhorar o desempenho. A diferença entre a constraint UNIQUE e a PRIMARY KEY, é que a UNIQUE aceita valores Nulos e a PRIMARY KEY não.

Tabela 9.2 - Tipos de Constraints e utilização de cada uma delas.

Agora vamos a alguns exemplos práticos de criação dos diversos tipos de Constraints.

Podemos criar Constraints no momento de criação de uma tabela, quando utilizamos o comando CREATE TABLE. Também podemos criar Constraints em uma tabela já existente, utilizando o comando ALTER TABLE. Constraints podem estar associadas com uma ou mais colunas. Considere os seguintes fatos:

  • Uma Constraint associada com uma única coluna é conhecida como “column-level Constraint”.
  • Uma Constraint associada com múltiplas colunas é conhecida como “table-level Constraint”.
  • DEFAULT Constraints somente podem ser associadas com um único campo, isto é, são column-level Constraints.
  • Constraints não são definidas na tabela do Banco de Dados, isto é, uma Constraint não pode referenciar colunas de outras tabelas. Por exemplo, não podemos definir uma Constraint para um campo da tabela Clientes, a qual acessa valores em outras tabelas.
  • Podemos adicionar, alterar e excluir Constraints, sem termos que excluir e recriar a tabela.
  • Quando adicionamos uma Constraint, o SQL Server 2005 verifica se os dados da tabela se enquadram na Constraint que está sendo adicionada. Por exemplo, se tentarmos adicionar uma Constraint do tipo UNIQUE, em um campo onde existem valores repetidos, a Constraint não será adicionada e uma mensagem de erro será emitida.

Ao criar uma Constraint, devemos definir um nome para a constraint, pois caso contrário o SQL Server 2005 irá gerar um nome. O problema é que o nome gerado, automaticamente, pelo SQL Server 2005, não é nada amistoso e, tampouco, indicativo da função da Constraint.

« Lição anterior Curso Completo de SQL Server 2005 - Júlio Battisti Δ Página principal Curso Completo de SQL Server 2005 - Júlio Battisti ¤ Capítulos Curso Completo de SQL Server 2005 - Júlio Battisti Próxima lição »

Best Sellers de Excel do Julio Battisti

Todos com Vídeo Aulas, E-books e Planilhas de Bônus!

Aprenda com Júlio Battisti:
Excel 2010 Básico em 140 Lições - Através de Exemplos Práticos - Passo a Passo

 Aprenda com Júlio Battisti: Excel 2010 Básico em 140 Lições - Através de Exemplos Práticos

 

Autor: Júlio Battisti | Páginas: 540 | Editora: Instituto Alpha

 

[Livro]: Aprenda com Júlio Battisti: Excel 2010 Básico em 140 Lições - Através de Exemplos Práticos

Aprenda com Júlio Battisti: Excel 2010 Avançado, Análise de Dados, Tabelas Dinâmicas, Funções Avançadas, Macros e Programação VBA - Passo a Passo

Livro: Aprenda com Júlio Battisti: Excel 2010 Avançado, Análise de Dados, Tabelas Dinâmicas, Funções Avançadas, Macros e Programação VBA - Passo a Passo

 

Autor: Júlio Battisti | Páginas: 952 | Editora: Instituto Alpha

 

Livro: Aprenda com Júlio Battisti: Excel 2010 Avançado, Análise de Dados, Tabelas Dinâmicas, Funções Avançadas, Macros e Programação VBA - Passo a Passo

Aprenda com Júlio Battisti: Macros e Programação VBA no Excel 2010 Através de Exemplos Práticos e Úteis - Passo a Passo

 

[LIVRO]: Aprenda com Júlio Battisti: Macros e Programação VBA no Excel 2010 Através de Exemplos Práticos e Úteis - Passo a Passo

 

Autor: Júlio Battisti | Páginas: 1124 | Editora: Instituto Alpha

 

[LIVRO]: Aprenda com Júlio Battisti: Macros e Programação VBA no Excel 2010 Através de Exemplos Práticos e Úteis - Passo a Passo

Aprenda com Júlio Battisti: Excel 2010 - Curso Completo - Do Básico ao Avançado, Incluindo Macros e Programação VBA - Através de Exemplos Práticos

 

[A BÍBLIA DO EXCEL]: Aprenda com Júlio Battisti: Excel 2010 - Curso Completo - Do Básico ao Avançado, Incluindo Macros e Programação VBA - Através de Exemplos Práticos Passo a Passo

 

Autor: Júlio Battisti | Páginas: 1338 | Editora: Instituto Alpha

 

[A BÍBLIA DO EXCEL]: Aprenda com Júlio Battisti: Excel 2010 - Curso Completo - Do Básico ao Avançado, Incluindo Macros e Programação VBA - Através de Exemplos Práticos Passo a Passo

Todos os livros com dezenas de horas de vídeo aulas de bônus, preço especial (alguns com 50% de desconto). Aproveite. São poucas unidades de cada livro e por tempo limitado.

Dúvidas?

Utilize a área de comentários a seguir.

Me ajude a divulgar este conteúdo gratuito!

Use a área de comentários a seguir, diga o que achou desta lição, o que está achando do curso.
Compartilhe no Facebook, no Google+, Twitter e Pinterest.

Indique para seus amigos. Quanto mais comentários forem feitos, mais lições serão publicadas.

Quer receber novidades e e-books gratuitos?
›››

Novidades e E-books grátis

Fique por dentro das novidades, lançamento de livros, cursos, e-books e vídeo-aulas, e receba ofertas de e-books e vídeo-aulas gratuitas para download.



Institucional

  • Quem somos
  • Garantia de Entrega
  • Formas de Pagamento
  • Contato
  • O Autor
  • Endereço

  • Júlio Battisti Livros e Cursos Ltda
  • CNPJ: 08.916.484/0001-25
  • Rua Vereador Ivo Cláudio Weigel, 537 Universitário
  • Santa Cruz do Sul/RS
  • CEP 96816-208
  • Todos os direitos reservados, Júlio Battisti 2001-2017 ®

    [LIVRO]: MACROS E PROGRAMAÇÃO VBA NO EXCEL 2010 - PASSO-A-PASSO

    APRENDA COM JULIO BATTISTI - 1124 PÁGINAS: CLIQUE AQUI