[MEU 50º LIVRO]: BANCOS DE DADOS E ACESS - CURSO COMPLETO - DO BÁSICO AO VBA - 1602 páginas

Páginas: 1602 | Autor: Júlio Battisti | 40% de Desconto e 70h de Vídeo Aulas de Bônus

acompanhar meus pedidosAcompanhar meus pedidos | Formas de pagamentoFormas de pagamento | LoginEfetuar login Atendimento: (51) 3717-3796 | webmaster@juliobattisti.com.br
Júlio Battisti
Ver meu carrinho Curta-nos no FacebookSiga-nos no Twitter


LIVROS
Access e Banco de Dados
Administração e Negócios
AutoCAD
Carreira e Trabalho
Concursos Públicos
Criação de Sites e Webdesign
Exames de Certificação
Excel
Gerenciamento de Projetos
Gráficos e CorelDraw
Hardware e Montagem
Internet
Matemática e Física
Office 2007
Programação
Redes
Segurança
Windows e Linux
Word
VÍDEO-AULAS
Access
Banco de Dados
CAD
Concursos Públicos
Excel
Hardware e Montagem
Internet
Linux
PowerPoint
Programação
Programas Gráficos
Redes e TCP/IP
VBA no Excel – Sistemas Prontos
Vídeo e Áudio
Webdesign
Windows
Word
E-BOOKS
Access
Administração e Negócios
Área Gráfica
Banco de Dados
BrOffice
CAD
Certificações Microsoft
Concursos Públicos
Finanças
Matemática e Física
Excel
Formação Pessoal e Profissional
Hardware e Montagem
Internet
Literatura e Outros
PowerPoint
Programação
Redes e TCP/IP
SAP
Vìdeo
Webdesign
Windows
Word
CURSOS ONLINE
Bancos de Dados e Access
Carreira e Trabalho
Computação Gráfica e Editoração
Criação de Sites e Webdesign
Excel
Formações Completas
Hardware Montagem e Manutenção
Programação
Redes
SAP
Windows e Linux
Word
OFERTAS DA SEMANA!
Principal » EbooksRedes e TCP/IP

[E-book]: Pacote de E-books: Universidade Redes, TCP/IP, Roteadores Cisco, Redes WAN, Subnetting, IPV6 e Cabeamento Estruturado
Redes, TCP/IP, Redes Wan, VLANs, subnets, cabeamento estruturado e 365 questões resolvidas
Páginas: 2095
Ano: 2014
Preço: R$ 199,00
Autor(es): Ademar Fey
Editora: Júlio Battisti - Livros e Cursos LTDA
Formato: E-book
 
 

PARA COMPRAR ESTE E-BOOK, CLIQUE AQUI!


Visão Geral do E-book:

Pacote de E-books: Universidade Redes, Roteadores, Redes WAN, Subnetting, IPv6, Cabeamento Estruturado, VLans e TCP/IP

Autor: Ademar Fey - 2095 páginas


PROMOÇÃO ESPECIAL DE LANÇAMENTO:

Ao fazer a compra nesta promoção especial de
Lançamento você tem um preço especial:

  1. Preço Especial para esta promoção: 

    De R$ 399,00 por R$ 199,00

Brindes:

  • Bônus 01: Acesso por 4 meses ao curso online: Cursos de Configuração de Roteadores e Switches Nível Básico. Só este curso custa R$ 120,00 e você terá acesso a ele, por 4 meses, sem nenhum custo, na compra deste pacote de e-books.
     
  • Bônus 02: Vídeo-Aula de Excel 2007 Avançado, 06h de duração - via download
     
  • Bônus 03: Vídeo-Aula de Access 2007 Avançado, 11.5h de duração - via download.
     
  • Bônus 04: Vídeo Palestra com Júlio Battisti: Entenda o Active Directory - Componentes e Estrutura Lógica e Física - 3:00 horas - via download.
     
  • Bônus 05: Vídeo Palestra com Júlio Battisti: Tudo Sobre GPOs - Teoria e Prática - 2:00 horas - via download.
     
  • Bônus 06: Vídeo Palestra com Júlio Battisti: Tudo Sobre DNS - Teoria e Prática - 2:00 horas - via download.
     
  • Bônus 07: Vídeo Palestra com Eduardo Popovici: Hyper-V - Teoria e Prática - 2:00 horas - via download.
     
  • Bônus 08: Vídeo Palestra com Eduardo Popovici: Windows Power Shell - 1:04 horas - via download.

Produtos que fazem parte deste pacote:

  • Introdução às Redes de Computadores: Modelos OSI e TCP/IP -  3ª Edição - 292 páginas
     
  • Cabeamento Estruturado: Da Teoria à Prática - Um Guia Completo – 3ª edição - 329 páginas
     
  • Introdução às redes WAN - 2ª edição - 282 páginas
     
  • Fundamentos de Redes de Computadores - 555 questões resolvidas e comentadas – 219 páginas
     
  • Detectando e Solucionando Problemas de Comunicação em redes LAN e WAN - 2ª Edição - Revisada e Atualizada - 230 páginas
     
  • Desvendando VLANs - 2ª edição - 139 páginas 
     
  • Configuração de Roteadores e Switches Cisco - Nivel Básico - 2ª Edição - 173 páginas
     
  • Configuração de Roteadores e Switches Cisco - Nivel Intermediário – 2ª Edição - 271 páginas
     
  • Dominando o IPv6 A Partir do IPv4 - 3ª edição - 309 páginas
     
  • Dominando Sub-Redes no IPv4 e IPv6 - 166 páginas - 2ª Edição - 170 páginas

Item 01: Introdução às Redes de Computadores: Modelos OSI e TCP/IP - 2ª Edição - 292 páginas

As redes de computadores surgiram a partir da década de 1970 do século passado. Na década seguinte, dois importantes modelos de protocolos de interconexão de redes surgiram: o modelo TCP/IP e o modelo OSI.

Este livro pretende apresentar os principais fundamentos conceituais desses dois conjuntos de protocolos de comunicação utilizados em redes de computadores,
oportunizando aos leitores a construção de uma base de conhecimento sólida para avançar na compreensão de estudos mais complexos nessa área.

Na 2a edição criamos um capítulo específico para o modelo OSI e revisamos e atualizamos o texto completo do livro.


Item 02: Cabeamento Estruturado: Da Teoria à Prática - Um Guia Completo - 2ª Edição - 254 páginas

O cabeamento estruturado surgiu da necessidade de padronizar e organizar as instalações das redes de computadores locais emergentes no final dos anos 1980.

De lá para cá, cada vez mais a infraestrutura física dos sistemas de telecomunicações foi se tornando importante componente empresarial. Nenhuma organização sobrevive, no mundo digital competitivo da atualidade, se a rede local sofrer panes constantes por falha no cabeamento físico.

O cabeamento estruturado pode ser considerado o suporte tecnológico da empresa conectada da era Internet. O conhecimento teórico do sistema de cabeamento, dos meios físicos e das normas utilizadas no cabeamento estruturado deve se reverter em aspectos práticos da instalação, testes de certificação, manutenção e gerenciamento dessa estrutura física.

Este livro pretende dar uma visão geral do cabeamento estruturado. Ele foi concebido para auxiliar iniciantes e profissionais da área de cabeamento, além do pessoal de Tecnologia de Informação em geral, sem entrar em detalhes técnicos que dizem respeito aos engenheiros de telecomunicações.

Para transpor da teoria para a prática, o livro exemplifica com um projeto prático os ensinamentos teóricos abordados.


Item 03: Introdução às redes WAN - 2ª edição - 282 páginas

As Redes WAN surgiram inicialmente da necessidade de interligar as controladoras de terminais remotos aos computadores centrais, na década de 1970, e, posteriormente, da necessidade de interligar as redes locais de computadores entre si, na década de 1980. Atualmente a Internet é a rede WAN mais utilizada.

No entanto as redes WAN pioneiras nessa área (E1, X.25, etc.) ainda são utilizadas ao redor do mundo.

Este livro tem por objetivo uma introdução ao estudo das redes WAN, citando os conceitos e as características técnicas básicas dessas redes utilizadas para formação de redes empresariais de longa distância.


Item 04: Fundamentos de Redes de Computadores - 700 Questões Resolvidas e Comentadas - 264 páginas

Hoje estamos impregnados de tecnologia digital em nossas vidas. Como profissionais da área de TI, passamos os dias envolvidos na solução de questões práticas. Muitas das vezes, nos falta tempo e oportunidade de estudar e debater os conceitos básicos das redes de computadores. 

Este livro tem esse intuito: através de 365 questões objetivas, resolvidas e comentadas, pretende-se discutir os fundamentos do modelo de referência em protocolos de interconexão de redes, o TCP/IP. Além do TCP/IP, abordamos também o modelo OSI, pois ele é uma referência no ensino de redes de computadores.

Na discussão das questões, sempre que pertinente, estabelecemos a relação entre um sistema e outro. No capítulo inicial abordamos uma teoria básica do modelo TCP/IP e OSI e nos demais seis capítulos partimos para a resolução das questões e comentários sobre as mesmas.


Item 05: Detectando e Solucionando Problemas de Comunicação em redes LAN e WAN - 2ª Edição - Revisada e Atualizada - 230 páginas

Solucionar problemas de comunicação em redes de computadores não é uma tarefa que se pode aprender sem ter fortes conhecimentos teóricos envolvendo as camadas de comunicação do modelo OSI: a Camada Física, de Enlace e de Rede.

A diversidade de problemas torna quase impossível criar um procedimento padrão que nos leva à solução de todos os problemas encontrados no dia a dia, mas ao decidirmos criar este e-book acreditamos que experiências vividas nos permitem criar alguns procedimentos que, se não resolvem totalmente, ajudam decisivamente na busca da solução.

O entendimento do presente livro exigirá do leitor conhecimento do TCP/IP e de configuração de roteadores e switches da marca Cisco.

Os exemplos utilizados no livro foram criados num simulador de configuração de redes de computadores e ficam disponibilizados ao leitor através de download.

Na 2a edição o livro foi revisado e ampliado, contendo agora informações teóricas das camadas 1, 2 e 3 dos modelos OSI/TCP-IP.


Item 06: Desvendando VLANs - 2ª edição - 139 páginas

Uma das tarefas mais realizadas pelos profissionais de redes de computadores é a criação de Redes Locais Virtuais – VLANs. Entender as VLANs e a configuração de Switches, equipamentos onde elas são implementadas, são conhecimentos essenciais para tais profissionais.

Este livro pretende viabilizar a aquisição desses conhecimentos ao leitor, a partir da revisão da camada de enlace do modelo OSI e TCP/IP, da conceituação teórica das VLANs e da análise das suas principais aplicações.

Após esse estudo preliminar, o livro aborda objetivamente também exemplos de configuração das VLANs em alguns Switches utilizados em redes locais.


Iten 07 : ​Configuração de Roteadores e Switches Cisco - Nivel Básico - 101 páginas

Uma das tarefas exigidas por parte dos técnicos que se dedicam às configurações de Roteadores e Switches é conhecer a estrutura e as características básicas desses equipamentos. O livro pretende levar esse conhecimento ao leitor. Embora estritamente teórico, as figuras e explicações tornam o livro uma referência na arte de praticar a configuração desses equipamentos de interconexão de redes.


Iten 08: ​Configuração de Roteadores e Switches Cisco - Nivel Intermediário - 179 páginas

As configurações ditas Intermediárias e Avançadas podem ser consideradas como um avanço em relação aos conhecimentos adquiridos no e-book de Nível Básico.

Este novo e-book tem por objetivo proporcionar ao leitor orientações na arte de configurar os Roteadores e Switches da marca Cisco, fabricante dominante na área, cujos princípios servem de modelo para diferentes fabricantes.

As orientações sobre as configurações intermediárias e avançadas possibilitam a obtenção de um conhecimento diferenciado por parte do profissional da área de infraestrutura de Redes de Computadores.


Iten 09: Dominando o IPv6 A Partir do IPv4 - 3ª edição - 309 páginas

O protocolo IPv6 surgiu da necessidade de ampliar os endereços lógicos atribuídos às redes e aos dispositivos conectados à Internet. Como sempre ocorre, a troca de um padrão (IPv4) por outro (IPv6) requer tempo para as devidas adaptações e para que se adquiram os conhecimentos necessários para assimilar esse novo padrão. Este livro pretende exatamente facilitar a transição na aquisição de conhecimento de um protocolo para outro. Ou seja, levando em consideração o conhecimento adquirido no IPv4 vai-se destacando as diferenças com o IPv6 e introduzindo os novos conceitos em relação ao mesmo. A exaustão dos endereços IPv4 torna-se uma realidade a cada dia que passa e precisamos nos concentrar no estudo e entendimento do protocolo IP da próxima geração.


Iten 10: Dominando Sub-Redes no IPv4 e IPv6 - 166 páginas - 2ª Edição

O entendimento do conceito e do cálculo de sub-redes é uma das tarefas que mais traz dificuldades para o estudante de Redes de Computadores (e à vezes também de profissionais da área) usando tanto o IPv4 quanto o IPv6.

O livro pretende levar esse conhecimento ao leitor, a partir do estudo inicial da camada de rede, da estrutura do endereçamento IPv4 e da revisão básica da matemática binária.

Após esse estudo preliminar, o livro aborda objetivamente os tópicos de sub-rede no IPv4, da VLSM e do CIDR. Por último o livro trata da introdução ao IPv6, do endereçamento IPv6, da matemática hexadecimal e de sub-redes no IPv6. Tudo isso com exemplos passo a passo dos cálculos realizados.

* Na segunda edição o livro foi revisado e ampliado, inserindo-se exercícios no final dos capítulos teóricos, além de um capítulo com estudos de caso com sub-redes no IPV4 e no IPV6. Nos estudos de casos constam as configurações dos principais equipamentos de comunicação utilizados.

PARA COMPRAR ESTE E-BOOK, CLIQUE AQUI!

Conteúdo do E-book:

Item 01: Introdução às Redes de Computadores: Modelos OSI e TCP/IP

CAPÍTULO 1- INTRODUÇÃO ÀS REDES DE COMPUTADORES 

INTRODUÇÃO 

1.1 SISTEMA BÁSICO DE COMUNICAÇÃO

1.2 HISTÓRICO DA COMPUTAÇÃO E DAS REDES DE COMPUTADORES

1.3 DOS MAINFRAMES ATÉ A INTERNET: O SURGIMENTO DAS REDES 

1.4 TIPOS DE REDES DE COMPUTADORES 

1.4.1 Rede LAN de Computadores 

1.4.2 Rede MAN de Computadores

1.4.3 Rede WAN de Computadores 

1.5 MODELO DE REFERÊNCIA DE INTERCONEXÃO OSI

1.5.1 O modelo OSI/ISO

1.5.2 A função de cada nível (camada) do protocolo OSI 

1.5.3 Como as Camadas se Comunicam  

1.6 MODELO DE INTERCONEXÃO TCP/IP  

1.6.1 Conceitos do TCP/IP  

1.6.1.1 Camada Física/Enlace (Host/Rede)

1.6.1.2 Camada de Rede (Inter-Rede)

1.6.1.3 Camada de Transporte 

1.6.1.4 Camada de Aplicação  

1.6.1.5 Modelo TCP/IP de 5 camadas (modelo híbrido) 

1.6.2 Conceitos fundamentais da divisão por camadas  

1.6.2.1 Encapsulamento 

1.6.2.2 Desencapsulamento 

1.6.2.3 Multiplexação  

1.6.2.4 Demultiplexação 

1.6.2.5 Fragmentação 

1.7 COMPARAÇÃO ENTRE OS MODELOS DE REFERÊNCIA OSI E TCP/IP  

1.8 CRÍTICAS AOS MODELOS DE REFERÊNCIA 

1.9 RESUMO  

CAPÍTULO 2 - CAMADA FÍSICA  

INTRODUÇÃO  

2.1 MEIO DE TRANSMISSÃO  

2.1.1 Par metálico 

2.1.2 Cabo coaxial

2.1.3 Fibra ótica

2.1.4 Rádio transmissão  

2.1.5 Satélite  

2.2 INTERFACES DE DADOS E VOZ PADRÕES DE MERCADO   

2.2.1 V24  

2.2.2 V35  

2.2.3 V36 

2.2.4 G703 

2.2.5 RJ-45 

2.2.6 RJ-11 

2.2.7 V-21 ao V-92 

2.3 INTERFACES DTE E DCE  

2.4 EQUIPAMENTOS QUE OPERAM NA CAMADA FÍSICA  

2.4.1 Modems  

2.4.2 Multiplexador 

2.4.3 Repetidor de Sinal 

2.4.4 Hub 

2.5 TOPOLOGIA UTILIZANDO OS CONCEITOS DA CAMADA FÍSICA  

2.6 RESUMO  

CAPÍTULO 3 - CAMADA DE ENLACE

INTRODUÇÃO

3.1 FUNÇÃO DA CAMADA DE ENLACE 

3.2 QUADRO OU FRAME  

3.3 MODELO TCP/IP  

3.4 PROTOCOLOS DA CAMADA DE ENLACE 

3.4.1 Ethernet

3.4.1.1 Quadro Ethernet 

3.4.1.2 Funcionamento do protocolo Ethernet

3.4.1.3 Notação Hexadecimal 

3.4.1.4 ARP ou Address Resolution Protocol 

3.4.1.5 Padrões Ethernet e tipo de cabeamento 

3.4.1.6 Evolução da Ethernet 

3.4.1.7 Topologias Ethernet

3.4.1.8 Método de acesso ao meio

3.4.1.9 Colisão

3.4.1.10 Desenvolvimento do padrão Ethernet

3.4.1.11 Hub 

3.4.1.12 Switch  

3.4.1.13 Informação complementar sobre o protocolo Ethernet

3.4.2 PPP 

3.4.2.1 Quadro PPP  

3.4.3 HDLC   

3.4.3.1 Quadro HDLC 

3.4.4 Frame Relay 

3.4.4.1 Características  

3.4.4.2 Quadro Frame Relay  

3.4.4.3 Descrição dos campos do cabeçalho do Frame Relay  

3.5 RESUMO 

CAPÍTULO 4- CAMADA DE REDE   

INTRODUÇÃO   

4.1 CONCEITOS BÁSICOS DA CAMADA DE REDE 

4.1.1 Função  

4.1.2 Funcionamento 

4.1.3 Protocolos da Camada de Rede 

4.2 FUNCIONAMENTO DO PROTOCOLO ROTEÁVEL IP 

4.2.1 Cabeçalho IP  

4.2.2 Campos do Cabeçalho IP  

4.2.3 Importância dos Campos de Endereço do cabeçalho IP  

4.3 ENDEREÇAMENTO IP  

4.3.1 Formato do endereço IP  

4.3.2 Conversão binária para decimal

4.3.3 Determinando a Rede de um endereço IP 

4.3.4 Aplicando a Máscara  

4.3.5 Classes de Endereçamento IP  

4.3.6 Identificando a Classe de um endereço IP  

4.3.7 Endereços IP Especiais e Reservados  

4.3.8 Exemplos de topologias de redes IP   

4.3.9 Endereços de Sub-Rede 

4.3.10 Criando Sub-Redes  

4.3.11 Classificação dos endereços IP   

4.3.12 Roteador 

4.4 IPv6  

4.4.1 Introdução ao IPv6. 

4.4.2 Comparação entre cabeçalhos do IPv4 e do IPv6 

4.4.3 Melhorias no cabeçalho IPv6 

4.4.4 Cabeçalhos de extensão  

4.4.5 Fragmentação no IPv6  

4.4.6 Estrutura do Endereçamento IPv6 

4.4.7 Alocação de Endereço IPv6  

4.4.8 Sub-redes no IPv6  

4.4.9 Representação dos Endereços no IPv6 

4.4.10 Terminologia técnica do IPv6  

4.4.11 O escopo do Endereçamento no IPv6  

4.4.12 Tipos de endereços IPv6 

4.4.13 Conjunto de Endereços de Interface  

4.4.14 Tipos de Prefixo de Endereçamento  

4.4.15 Roteamento no IPv6 

4.5 OUTROS PROTOCOLOS DA CAMADA DE REDE  

4.5.1 ICMP  

4.5.2 ARP   

4.6 PROTOCOLOS DE ROTEAMENTO  

4.6.1 Rotas Estáticas e Dinâmicas 

4.6.2 Roteamento Dinâmico 

4.6.3 Distâncias Administrativas

4.6.4 Classe dos Protocolos de Roteamento  

4.6.5 Vetor distância  

4.6.5.1 RIP (Router Information Protocol) 

4.6.6 Estado do Link 

4.6.6.1 OSPF (Open Shortest Path First) 

4.6.7 Algoritmo de protocolos de roteamento híbrido  

4.6.7.1 EIGRP (Enhanced Interior Gateway Routing Protocol)

4.6.7.2 Diffusion Update Algorithm  

4.7 Resumo 

CAPÍTULO 5- CAMADA DE TRANSPORTE 

INTRODUÇÃO  

5.1 CONCEITOS BÁSICOS DA CAMADA DE TRANSPORTE  

5.2 Modelo cliente-servidor

5.2.1 Servidores  

5.2.2 Cliente 

5.2.3 Principais protocolos da camada de transporte 

5.3 PORTAS E SOCKETS   

5.3.1 Portas 

5.3.2 Sockets  

5.4 USER DATAGRAM PROTOCOL (UDP) 

5.4.1 Formato do datagrama UDP 

5.4.2 Interface de programação de aplicativos do UDP  

5.4.3 Aplicações padronizadas que usam o protocolo UDP  

5.5 PROTOCOLO DE CONTROLE DE TRANSMISSÃO (TCP) 

5.5.1 Conceitos do TCP  

5.5.2 Formato do segmento TCP  

5.5.3 Comparação entre os protocolos UDP e o TCP  

5.5.4 Controle de fluxo pelo TCP   

5.5.4.1 O princípio da janela 

5.5.4.2 O princípio da janela aplicado ao TCP  

5.5.4.3 Troca de dados normal (sem retransmissões) 

5.5.4.4 Reconhecimentos e retransmissões 

5.5.4.5 Estabelecimento de uma conexão TCP  

5.5.4.6 Interface de programação de aplicativos do TCP  

5.5.5 Algoritmos de controle de congestionamento do TCP  

5.5.6 Aplicações padronizadas que utilizam o protocolo TCP   

5.5.7 Relação de portas bem conhecidas de aplicações Internet 

5.6 CONSIDERAÇÕES FINAIS DA CAMADA DE TRANSPORTE   

5.7 RESUMO  

CAPÍTULO 6 -CAMADA DE APLICAÇÃO

INTRODUÇÃO  

6.1 PROTOCOLOS DA CAMADA DE APLICAÇÃO  

6.1.1 HTTP (HyperText Transfer Protocol) 

6.1.1.1 Formato do pacote de dados de solicitação HTTP 

6.1.1.2 Formato do pacote de dados de resposta HTTP 

6.1.1.3 Versões do HTTP  

6.1.2 Telnet (Telecommunication Networking) 

6.1.3 FTP (File Transfer Protocol) 

6.1.3.1 Comandos e mensagens do FTP  

6.1.3.2 Exemplos de comandos do FTP  

6.1.3.3 Códigos de respostas (mensagens) do FTP  

6.1.4 SMTP (Simple Mail Transfer Protocol)

6.1.4.1 Enviando mensagens pelo SMTP  

6.1.4.2 Texto de mensagem enviada pelo SMTP  

6.1.4.3 Códigos de Respostas do Protocolo SMTP  

6.1.4.3.1 Primeiro Dígito do Código de Respostas

6.1.4.3.2 Segundo Dígito do Código de Respostas 

6.1.4.3.3 Terceiro Dígito do Código de Respostas

6.1.4.4 Localizando mensagens no SMTP  

6.1.4.5 Comandos adicionais no SMTP

6.1.5 POP3 (Post Office Protocol)

6.1.5.1 Para Acessar o Servidor de e-mail 

6.1.5.2 Deletando mensagens lidas pelo POP  

6.1.5.3 Benefícios do protocolo POP e SMTP

6.1.6 IMAP  

6.1.7 SNMP (Simple Networking Management Protocol) 

6.1.7.1 Base de Gerenciamento (MIB) do SNMP  

6.1.7.2 Comandos de gerenciamento do SNMP  

6.1.7.3 Objetos gerenciados pelo SNMP  

6.1.7.4 Mensagens do SNMP   

6.1.8 DNS (Domain Name Protocol) 

6.1.8.1 Introdução 

6.1.8.2 Registros do DNS  

6.1.8.3 Funcionamento genérico do DNS  

6.1.8.4 Navegando na WEB usando o Sistema de Nomes de Domínio (DNS) 

6.1.9 Protocolo e Serviço de compartilhamento de arquivo SMB 

6.1.10 Protocolo DHCP  

6.1.10.1 Tipos de Mensagem DHCP 

6.1.10.2 Troca de mensagens DHCP 

6.2 UTILITÁRIOS DA CAMADA DE APLICAÇÃO

6.2.1 Ipconfig  

6.2.2 Ipconfig /all 

6.2.3 Ping 

6.2.4 Hostname 

6.2.5 Arp –a 

6.2.6 Netstat 

6.2.7 Route  

6.2.8 Tracert (Trace route no Linux) 

6.2.9 Nslookup 

6.3 CONSIDERAÇÕES FINAIS DA CAMADA DE APLICAÇÂO  

6.4 RESUMO  

CONCLUSÃO  

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS  

APÊNDICE A – Curso on-line gratuito  

APÊNDICE B – Indicações de cursos on-line e e-books por assunto  

APÊNDICE C – Outras obras dos autores 


Item 02: Cabeamento Estruturado: Da Teoria à Prática - Um Guia Completo

CAPÍTULO 1- INTRODUÇÃO AO CABEAMENTO ESTRUTURADO

INTRODUÇÃO.

1 CONCEITOS DE CABEAMENTO ESTRUTURADO

1.1 HISTÓRICO DO CABEAMENTO ESTRUTURADO

1.2 DESENVOLVIMENTO DE NOVAS TECNOLOGIAS DE INTERCONEXÃO

1.3 DATAS E FATOS

1.4 AS ORGANIZAÇÕES DE PADRONIZAÇÃO EM CABEAMENTO

1.5 NORMAS DE CABEAMENTO ESTRUTURADO NO BRASIL.

CONCLUSÃO DO CAPITULO

CAPÍTULO 2- INTRODUÇÃO ÀS REDES LOCAIS DE COMPUTADORES

INTRODUÇÃO

2.1 EVOLUÇÃO DAS REDES DE COMPUTADORES

2.2 TIPOS DE REDES DE COMPUTADORES.

2.3 MODOS DE OPERAÇÃO

2.4 INTRODUÇÃO ÀS REDES LOCAIS DE COMPUTADORES

2.4.1 Tipos de Redes Locais

2.4.1.1 Ethernet

2.4.1.2 Token Ring (Rede em Anel)

2.4.2 Componentes de uma rede Local (Local Area network – LAN)

2.4.2.1 Protocolos de comunicação.

2.4.3 Rede local padrão Ethernet

2.4.3.1 Princípio de funcionamento de uma rede padrão Ethernet 

2.4.3.2 Colisões

2.4.3.3 Padrão 10Basex (Ethernet) 

2.4.3.4 Padrão 100Basex (Fast Ethernet) 

2.4.3.5 Padrão 1000Basex (Giga Ethernet) 

2.4.3.6 Novos padrões Ethernet 

2.4.3.7. Mídia para o padrão Ethernet 

2.4.3.8 Topologias para redes Ethernet

2.5 PRODUTOS ETHERNET

2.5.1 Transceptores.

2.5.2 Cartões de Interface de rede.

2.5.3 Repetidores

2.5.4 Hubs.

2.5.5 Pontes

2.5.6 Switches

2.5.7 Roteadores

2.6 CRITÉRIOS DE PROJETO DE REDE

2.7 PERDA DE PERFORMANCE NUMA REDE LAN

2.8 MELHORANDO A PERFORMANCE DE REDES ETHERNET

2.8.1 Pontes (Bridges) 

2.8.2 Switch Ethernet

2.8.3 Roteadores.

2.9 FRAME PADRÃO ETHERNET.

2.9.1 Descrição dos campos do frame Ethernet:

2.10 INTERCONEXÃO DE REDES.

2.10.1 Básico de Interconexão de Redes

2.10.1.1 LANs (Redes de Área Locais)

2.10.1.2 WANs (Interconexão de Redes de Longa Distância)

2.10.1.3 Internet

2.10.1.4 Intranet

CONCLUSÃO DO CAPITULO

CAPÍTULO 3- MEIOS FÍSICOS EM CABEAMENTO ESTRUTURADO

INTRODUÇÂO.

3.1 IMPORTÂNCIA DO CABEAMENTO ESTRUTURADO.

3.2 CABEAMENTO E A NECESSIDADE PELA VELOCIDADE MAIOR.

3.2.1 Porque da necessidade do Cabeamento e velocidades maiores?

3.2.2 Taxa de transferência da LAN versus Frequência de operação do Meio Físico

3.3 MEIO FÍSICO.

3.4 FATORES DE TRANSMISSÃO

3.5 CLASSES DE MEIOS DE TRANSMISSÃO

3.5.1 Meios Não Guiados (Sem Fios) 

3.5.1.1 Exemplos de Meios Sem Fios. 

3.5.2 Meios de Transmissão Guiados. 

3.5.2.1 Tipos de Meios de Transmissão Guiados. 

3.5.2.2 Características dos condutores Elétricos de Cobre.

3.5.2.3 Cabo de Par de Cobre.

3.6 MEIOS FÍSICOS GUIADOS USADOS EM CABEAMENTO ESTRUTURADO

3.6.1 Cabo coaxial 

3.6.2 Par Trançado (Twisted Pair)

3.6.2.1 Tipos de Cabos de Par Trançado..

3.6.2.2 Características do cabo UTP..

3.6.2.3 Terminação do cabo UTP.. 

3.6.2.4 Categorização do cabo UTP.. 

3.6.2.5 Tipos de Cabos UTP Especiais.

3.6.3 Fibra Óptica

3.6.3.1 Camadas na Fibra Óptica.

3.6.3.2 Fibra Óptica e seus componentes

3.6.3.3 Princípio de Funcionamento

3.6.3.4 Diâmetro Interno e Externo das fibras

3.6.3.5 Cabos de Fibra Óptica

3.6.3.6 Vantagens da fibra óptica

3.6.3.7 Desvantagens da fibra óptica.

3.6.3.8 Tipos de Fibra Ótica

3.6.3.9 Sinais em Fibra Ótica.

3.6.3.10 Conectores para fibra.

3.6.3.11 Uso dos conectores

3.6.3.12 Categorização da Fibra Óptica (padrão OM1 a OM4)

3.6.3.13 Equipamento para emenda da fibra

3.6.3.14 Rede MAN usando links de fibra

3.7 DETALHES DE PROJETO COM O CABEAMENTO COM CABO UTP

3.8 BÁSICO DE COMUNICAÇÃO DE DADOS

3.8.1 Outras características da comunicação de dados:

3.9 FATORES REDUTORES DA TAXA DE TRANSMISSÃO.

3.9.1 Atenuação

3.9.1.1 O que são os decibéis (dBs)

3.9.1.2 Cálculo de decibéis.

3.9.2 Ruído

CONCLUSÃO DO CAPITULO

CAPÍTULO 4- NORMAS EM CABEAMENTO ESTRUTURADO.

INTRODUÇÂO.

4.1 HISTÓRICO

4.2 MOTIVAÇÕES PARA A PADRONIZAÇÃO

4.3 O QUE É UM PADRÃO?.

4.4 DEFINIÇÕES DO CABEAMENTO ESTRUTURADO.

4.5 NOMENCLATURA USADA NO SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO

4.6 VANTAGENS CABEAMENTO ESTRUTURADO..

4.7 OBJETIVOS DOS PADRÕES EM CABEAMENTO ESTRUTURADO.

4.8 ORGANIZAÇÕES DE PADRONIZAÇÃO.

4.9 AS NORMAS TÉCNICAS DO BRASIL..

4.10 NORMAS APLICÁVEIS PARA CABEAMENTO ESTRUTURADO.

4.11 AS PRINCIPAIS NORMAS SÃO EDITADAS PELA EIA/TIA

4.12 HISTÓRICO DAS NORMAS

4.13 PRINCIPAIS NORMAS EM CABEAMENTO ESTRUTURADO.

4.13.1 EIA/TIA-568

4.13.1.1 Facilidade de entrada (Entrance facility) 

4.13.1.2  Conexão cruzada principal (Main cross-connect)

4.13.1.3  Distribuição do backbone (Backbone distribution)

4.13.1.3.1 Patch cords ou jumpers para conexões backbone – backbone. 

4.13.1.3.2 Topologia.

4.13.1.3.3 Mídia reconhecida do backbone de distribuição..

4.13.1.3.4 Critério de seleção de mídia..

4.13.1.4  Conexão cruzada horizontal (Horizontal cross-connect)

4.13.1.4.1 Funções da sala de telecomunicações.

4.13.1.4.2 Diretrizes gerais de projeto..

4.13.1.4.3 Mídia reconhecida de distribuição horizontal 

4.13.1.5. Área de trabalho (Work Area)

4.13.1.5.1 Componentes da área de trabalho

4.13.1.5.2 Tomada de telecomunicações (Telecommunications outlet)

4.13.1.5.3 Cordões de manobra na área de trabalho.

4.13.1.5.4 Adaptações especiais na área de trabalho.

4.13.1.5.5 Adaptadores passivos na área de trabalho.

4.13.1.6 ANSI/TIA/EIA – 568B.

4.13.1.6.1 Objetivos da ANSI/TIA/EIA – 568B

4.13.1.6.2 EIA/TIA 568-B.1

4.13.1.6.3 EIA/TIA 568-B.2.

4.13.1.6.4 EIA/TIA 568-B.3.

4.13.1.6.5 EIA/TIA 568-C.

4.13.2 ANSI/EIA/TIA 569-A.

4.13.2.1 Pontos definidos pela norma:. 

4.13.2.1.1 Facilidade de Entrada. 

4.13.2.1.2 Sala de Equipamentos..

4.13.2.1.3 Sala de telecomunicações.

4.13.2.1.4 Cabeamento Vertical 

4.13.2.1.5 Cabeamento horizontal

4.13.2.1.6 Área de Trabalho

4.13.3 EIA 310-D.

4.13.3.1 Equipamentos.

4.13.4 ANSI/EIA/TIA 606A..

4.13.4.1 O conceito da Administração em Cabeamento Estruturado

4.13.4.2 Vantagens.

4.13.4.3 Sistemas integrados.

4.13.4.4 Classes de Administração.. 

4.13.4.5 Identificador: 

4.13.4.6 Etiqueta.

4.13.4.7 Registro.. 

4.13.4.8 Relatórios. 

4.13.4.9 Ordens de serviço.. 

4.13.4.10 Relatórios de registro de canal

4.13.4.11 Desenhos.

4.13.4.12 Administração de dutos e espaços.

4.13.4.13 Etiquetas e codificação por cores

4.13.4.14 Codificação por cores. 

4.13.4.15 Diferenciação dos campos de terminação por categoria e desempenho.

4.13.5 ANSI-J-STD-607-A..

4.13.5.1 Ambientes que compõe o sistema de aterramento.

4.13.5.2 Componentes de um sistema de aterramento e proteção.

4.13.5.3 Considerações aplicadas aos componentes de aterramento e proteção

4.13.5.4 Etiquetagem

4.13.5.5 Barra principal de Aterramento para Telecomunicações – TMGB

4.13.5.6 Características físicas da TMGB..

4.13.5.7 Backbone de Aterramento para Telecomunicações – TBB

4.13.5.8 Barramento de Aterramento para Telecomunicações – TGB

4.13.6 EIA/TIA-570-A.

4.13.6.1 Histórico da norma 570.

4.13.6.2 Cabos reconhecidos para uso pela norma 570: 

4.13.6.3 Layout de Instalação baseado na Norma 570. 

4.13.7 Norma ISO/IEC 11801.

4.13.7.1 Categorias de cabos usados pela ISO 11801

4.13.7.2 Esquema genérico da norma ISO/IEC.

4.13.7.3 Escolha dos cabos

4.13.7.4 Restrições gerais da ISO 11801 no cabeamento horizontal 

4.13.7.5 Tomadas

4.13.7.6 ISO/IEC 11801 edição 2.2.

4.13.8 Norma ABNT/NBR 14565. 

4.13.8.1 Subsistemas adotados na ABNT NBR 14565:2007

4.13.8.2 Identificação.

4.13.8.3 Estruturas de passagem.

4.13.8.4 Sala de Telecomunicações

4.13.8.5 Diagrama de ocupação de uma Sala de Telecomunicações

4.13.8.6 Comprimentos máximos das mídias utilizadas.

4.13.8.7 Tomada tripolar

4.13.8.8 Tipos de ligações cruzadas permitidas.

4.13.8.9 Subsistemas da NBR 14565:2007.

4.13.8.10 NBR-14565:2012 – Novidades

4.13.8.11 Diagrama completo dos subsistemas segundo a NBR-14565:2012.

4.13.9 Norma ABNT/NBR 5410

4.13.9.1 Norma 5410 Atualização

4.13.10 Norma EIA/TIA 862-A.

4.13.11 Norma ANSI/TIA 942

4.13.11.1 Infraestrutura de cabeamento.

4.13.11.2 Componentes utilizados pela TIA-942. 

4.13.11.3 ANSI/TIA-942-A.

4.13.12 Norma IEC 617-10

4.13.13 Norma TIA/EIA 587

4.13.14 Norma ANSI/TIA/EIA TSB 67.

4.13.15 Algumas das outras normas em Cabeamento Estruturado.

CONCLUSÃO DO CAPITULO.

CAPÍTULO 5 -CERTIFICAÇÃO EM CABEAMENTO ESTRUTURADO

INTRODUÇÂO.

5.1 IMPORTÂNCIA DO CABEAMENTO ESTRUTURADO

5.2 IMPORTÂNCIA DA CERTIFICAÇÃO.

5.3 SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO.

5.4 NORMAS E PADRÕES PARA A CERTIFICAÇÂO.

5.5 DEFINIÇÃO DE CERTIFICAÇÃO

5.6 VANTAGENS DA CERTIFICAÇÃO.

5.7 TIPOS DE MÍDIA DE COMUNICAÇÃO

5.8 PROBLEMAS NA TRANSMISSÃO DO SINAL.

5.9 TERMOS UTILIZADOS EM TESTES DE SINAL NO CABEAMENTO

5.10 TIPOS DE TESTES EM CABEAMENTO ESTRUTURADO

5.11 CERTIFICAÇÃO EM CABOS UTP

5.11.1 Equipamentos para a certificação em cabo UTP.

5.11.2 Parâmetros de teste de certificação em cabos UTP

5.11.3 Nomenclatura dos testes em cabos UTP.

5.11.4 Relatório da certificação.

5.11.5 Testes em cabos UTP

5.11.5.1 Comprimento

5.11.5.2 Wire Map (Mapeamento dos fios)

5.11.5.2.1 Conectorização cabos UTP padrão 568A e 568B

5.11.5.3 Impedância

5.11.5.4 Atenuação

5.11.5.5 Crosstalk

5.11.5.5.1 NEXT: Near End Cross Talk

5.11.5.5.2 FEXT: Far End Cross Talk. 186

5.11.5.5.3 PSNEXT + PSELFEXT + PSACR.

5.11.5.5.4 ELFEXT e PSELFEXT

5.11.5.6 ACR (Attenuation Crosstalk Ratio) 

5.11.5.7 Propagation Delay.

5.11.5.8 Delay Skew..

5.11.5.9 Propagation Delay e Delay Skew.

5.11.5.10 Perda de retorno (Return Loss)

5.11.6 Resultados da certificação num teste de canal 

5.12 CERTIFICAÇÃO EM CABOS ÓPTICOS

5.12.1 Equipamentos usados na certificação em cabeamento óptico.

5.12.1.1 Power Meter

5.12.1.2 OLTS (Optical Loss Test Set) - Test Set Óptico

5.12.1.3 OTDR (Refletômetro Ótico no Domínio do Tempo)

5.12.2 Inspeção manual dos conectores da Fibra

5.12.3 Testes em Cabo Óptico.

5.12.3.1 Comprimento da fibra.

5.12.3.2 Teste de continuidade

5.12.3.3 Atenuação

5.12.3.4 Perda de potência (Power Loss) 

5.13 PROBLEMAS COM OS PARÂMETROS DE CERTIFICAÇÃO DO CABO UTP.

5.14 O CORRETO E O INCORRETO NA INSTALAÇÃO DE CABO UTP

5.14.1 Exemplos de instalações ruins (e certificação negativa)

CONCLUSÃO DO CAPITULO

CAPÍTULO 6- ATERRAMENTO EM CABEAMENTO ESTRUTURADO

INTRODUÇÃO.

6.1 OBJETIVO DA NORMA ANSI/EIA/TIA 607

6.2 HISTÓRICO DA NORMA ANSI/EIA/TIA 607

6.3 CONCEITOS BÁSICOS DE ATERRAMENTO

6.4 SISTEMA DE ATERRAMENTO SEGUNDO A NORMA ANSI/EIA/TIA 607

6.4.1 Terminologia

6.4.2 Definições e elementos do sistema de aterramento e interligação ao terra

6.5 CONCEITUAÇÃO E INSTALAÇÃO DOS ELEMENTOS DO ATERRAMENTO.

6.5.1 Condutor de link de aterramento para telecomunicações

6.5.2 Condutor de Interligação do Backbone de Aterramento de Telecomunicações

6.5.3 Barramento do Aterramento Principal de Telecomunicações

6.5.4 Barramento do Aterramento de Telecomunicações

6.5.5 Interligação à estrutura de metal de um edifício.

6.6 ATERRAMENTO NA SALA DE TELECOMUNICAÇÕES.

CONCLUSÃO DO CAPITULO

CAPÍTULO 7- PROJETO DE CABEAMENTO ESTRUTURADO

INTRODUÇÃO

7.1 FASES DE UM PROJETO

7.2 CONHECIMENTO DAS NECESSIDADES E EXIGÊNCIAS DO CLIENTE

7.2.1 Informações sobre o projeto.

7.2.2 Plantas baixas dos ambientes

7.3 ELABORAÇÃO DO PROJETO

7.3.1 Descritivo do projeto

7.4 EXECUÇÃO DO PROJETO

7.4.1 Detalhes do caminho do cabeamento.

7.4.2 Eletrocalhas

7.4.3 Detalhes de materiais usados no caminho do cabeamento horizonta

7.4.4 Exemplo de utilização e fixação de eletrocalhas

7.4.5 Distribuição das TOs

7.4.6 Caminho do cabeamento primário (backbone)

7.4.7 Topologia da rede do usuário.

7.4.8 Distribuição das portas dos switches em vlans

7.4.9 Endereçamento IP

7.4.10 Ocupação dos racks MDF e IDFs.

7.4.11 Aterramento.

7.4.12 Especificações dos materiais e equipamentos usados. 

7.4.12.1 Rack

7.4.12.2 Patch panel 

7.4.12.3 Patch cords.

7.4.12.4 Tomada de telecomunicações Cat 6.

7.4.12.5 Bloco 110.

7.4.12.6 Cabos UTP.

7.4.12.7 Eletrocalha perfurada 100x50 mm.

7.4.12.8 Canaletas plásticas

7.4.12.9 Switches e roteador

7.4.12.10 Tabela de custos

7.5 CERTIFICAÇÃO DO CABEAMENTO

CONCLUSÃO DO CAPITULO

CONCLUSÃO DO LIVRO.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.

OBRAS CONSULTADAS 


Item 03: Introdução às redes WAN

APRESENTAÇÂO 

AVISOS 

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO ÀS REDES WAN 
1 INTRODUÇÃO
1.1 UM POUCO DE HISTÓRIA
1.2 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DE UMA REDE WAN    
1.2.1 Velocidade de transmissão     
1.2.2 Delay   
1.2.3 Jitter    
1.2.4 Meio de acesso   
1.2.5 PPE   
1.2.6 Backbone 
1.2.7 Capilaridade 
1.2.8 QoS  
1.2.9 Topologia de uma Rede WAN 
1.2.9.1 Topologia de Redes de Computadores 
1.2.9.2 Topologia física 
1.2.9.3 Topologia Lógica 
1.2.9.3.1 Topologia lógica de mídia compartilhada
1.2.9.3.2 Topologia lógica baseadas em Token
1.3 APLICAÇÕES DE UMA REDE WAN  
1.4 TÉCNICAS DE COMUTAÇÃO DE DADOS 
1.4.1 Comutação de Circuitos
1.4.2 Comutação de Mensagens
1.4.3 Comutação de Pacotes
1.4.3.1 Comutação de Pacotes – Redes sem Conexão 
1.4.3.2 Comutação de Pacotes – Redes com Conexão 
1.4.4 Comutação de células 
1.5 NOVAS TECNOLOGIAS DE REDES WANS 
1.6 O ROTEIRO DE NOSSO LIVRO DE INTRODUÇÂO ÀS REDES WANS

CAPÍTULO 2 REDE WAN E1 (T1)    
2.1 INTRODUÇÃO
2.2 E1  
2.2.1 O início do E1  
2.2.2 Padrões e aplicações E1
2.2.3 Descrição do E1
2.2.4 Hierarquia E1  
2.3 T1  
2.3.1 A Hierarquia T1  
2.4 UTILIZAÇÃO DO E1 (E DO T1)   
2.5 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS
2.6 VANTAGENS
2.7 DESVANTAGENS 
2.8 DETALHES DE PROJETOS DE REDES CORPORATIVAS COM WAN E1 
2.9 APLICAÇÕES 
2.10 FUTURO DO E1

CAPÍTULO 3 -REDE WAN X.25 
3.1 INTRODUÇÃO 52
3.2 NÍVEIS (CAMADAS) DO X.25   
3.2.1 O Nível Físico (Physical Layer) 
3.2.2 O Nível de Enlace (Link Level)   
3.2.2.1 LAPB (Link Access Protocol, Balanced) 
3.2.3 O Nível de Pacote  
3.3 ESTABELECIMENTO DE CHAMADA (CALL SETUP) 
3.4 DIAGRAMAS DE ESTADO DO X.25    
3.5 CARACTERÍSTICAS DO X.25   
3.6 X.28 (COMUNICAÇÃO ASSÍNCRONA À REDE X.25) 
3.7 UTILIZAÇÃO DO X.25   
3.8 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO X.25:    
3.9 VANTAGENS 
3.10 DESVANTAGENS  
3.11 DETALHES DE PROJETOS DE REDES CORPORATIVAS WAN X.25  
3.12 APLICAÇÕES    
3.13 FUTURO DO X.25 

CAPÍTULO 4- REDE WAN ISDN
4.1 INTRODUÇÃO
4.2 O QUE É ISDN OU RDSI?
4.3 TIPOS DE LINHA ISDN 
4.3.1 Taxa básica (Basic Rate) 
4.3.2 Taxa primária (Primary Rate)  
4.3.3 Taxa Híbrida (Ca81
4.5 AS CAMADAS DO MODELO OSI ONDE O ISDN FUNCIONA.      

4.5.1 Camada 1 (Física)    
4.5.2 Camada 2 (Enlace ou Link de Dados) 
4.5.3 Camada 3 (Rede)    
4.6 DESCRIÇÃO DE UMA CHAMADA TÍPICA NA REDE WAN ISDN   
4.6.1 Chamada de Saída (Sainte)      
4.6.2 Chamada de entrada (entrante)
4.7 SUGESTÕES DE INSTALAÇÃO   
4.7.1 Taxa básica   
4.7.2 Taxa primária  
4.8 PADRÕES ISDN   
4.9 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO ISDN:   
4.10 VANTAGENS
4.11 DESVANTAGENS 
4.12 APLICAÇÕES  
4.13 FUTURO DO ISDN  

CAPÍTULO 5 REDE WAN FRAME RELAY (FR)  
5.1 INTRODUÇÃO
5.2 VISÃO GERAL
5.3 FORMATO DO FRAME  
5.4 CIRCUITOS VIRTUAIS  
5.5 PORTA, CIR E EIR  
5.6 INTEGRIDADE DE DADOS 
5.7 CONTROLE DE FLUXO E TAXAS DE INFORMAÇÃO
5.8 GERENCIAMENTO DO ESTADO DA CONEXÃO (STATUS POLLING)
5.9 USOS DO FRAME RELAY  
5.10 CONFIABILIDADE 
5.11 UTILIZAÇÃO DO FRAME RELAY 
5.12 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO FRAME RELAY:    
5.13 VANTAGENS 
5.14 DESVANTAGENS
5.15 APLICAÇÕES  
5.16 FUTURO DO FRAME RELAY  

CAPÍTULO 6-REDE WAN ATM 
6.1 INTRODUÇÃO 
6.2 BÁSICO DO ATM  
6.3 CONCEITOS DO ATM     
6.3.1 Células ATM  
6.3.2 Células na prática  
6.3.3 Estrutura de uma célula ATM  
6.3.4 Circuitos Virtuais   
6.3.5 Tipos de caminhos e circuitos virtuais      
6.3.6 Roteamento de Circuito Virtual e chamada de admissão  
6.3.7 Criação do circuito virtual na rede ATM          
6.3.8 Usando Células e circuitos virtuais para engenharia de tráfego
6.3.9 Modelagem do tráfego (trafic shaping) 
6.3.10 Policiamento de Tráfego (trafic policing)      
6.4 LAN Emulation (LANE)       
6.5 UTILIZAÇÃO DO ATM         
6.6 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO ATM  
6.7 VANTAGENS  
6.8  DESVANTAGENS  
6.9 APLICAÇÕES  
6.10 FUTURO DO ATM

CAPÍTULO 7- REDES WAN IP 
7.1 INTRODUÇÃO
7.2 FUNDAMENTOS EM COMUNICAÇÃO DE REDE        
7.3 FUNDAMENTOS DE TRANSMISSÃO    
7.4 A INFRAESTRUTURA DE REDE DE ÁREA LOCAL
7.5 INTERCONECTANDO LANS EM UMA ARQUITETURA BASEADA EM IP
7.5.1 A Pilha Internet Protocol  
7.5.2 Internet Protocol (IP)        
7.5.3 Um sumário da pilha IP     
7.5.4 Protocolo de Transporte  
7.6 BENEFÍCIO DA ARQUITETURA BASEADA NO IP   
7.7 VPNs IP 
7.8 CONVERGÊNCIA     
7.9 ESTUDO DE CASO  
7.10 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DAS REDES IP  
7.11 VANTAGENS
7.12  DESVANTAGENS
7.13 APLICAÇÕES         
7.14 CONCLUSÃO 

CAPÍTULO 8 -REDES MPLS
8. 1 INTRODUÇÃO  
8.2 O QUE É O MPLS?   
8.3 A TECNOLOGIA DO MPLS - COMUTAÇÃO DE LABEL MULTIPROTOCOLO 
8.4 INTRODUÇÃO AO FUNCIONAMENTO DO MPLS   
8.5 OLHANDO MAIS PROFUNDAMENTE NO MPLS  
8.6 INTRODUÇÃO AO QOS NO MPLS 
8.7 EXEMPLO DE CRIAÇÃO DE UMA CIRCUITO VIRTUAL NO MPLS
8.8 UTILIZAÇÃO DO MPLS     
8.9 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO MPLS  
8.10 VANTAGENS:      
8.11 DESVANTAGENS    
8.12 APLICAÇÕES       
8.13 FUTURO DO MPLS  

CAPÍTULO 9- INTRODUÇÂO AO QoS

9.1 INTRODUÇÃO AO QOS   
9.2 TÉCNICA DSCP DE QOS 
9.3 PROCESSO DO QOS UTILIZANDO O DSCP 
9.4 EXEMPLO DE QOS ADOTADO PELAS OPERADORAS DE TELECOM  

CAPÌTULO 10- REDES DE ACESSO BANDA LARGA
 

10.1 Introdução às redes de acesso banda larga à Internet   
10.1.1 A FAMÍLIA XDSL   
10.1.1.1 HDSL (Linha de Assinante Digital de  Alta Taxa de Dados) 
10.1.1.2 SDSL (Linha de Assinante Digital Única)  
10.1.1.3 ADSL (Linha de Assinante Digital Assimétrica)   
10.1.1.4 R-ADSL (Linha de Assinante Digital de Taxa Adaptável)      
10.1.1.5 VDSL (Linha de Assinante Digital de Taxa de Dados Muito Alta) 
10.1.2 ADSL
10.1.2.1 Evolução do Modem Tecnologia série "V.dot"  
10.1.2.2 Técnicas de modulação      
10.1.2.2.1 CAP (Carrierless Amplitude  Phase)     
10.1.2.2.2 DMT     
10.1.2.3 Vantagens do DMT sobre o CAP  
10.1.2.4 Padrões e Associações     
10.2 MODEM A CABO 
10.2.1 Introdução  
10.2.2 Fundamentos de Modem a cabo     
10.2.3 Largura de banda do canal do modem a cabo 
10.2.4 Transmissão de dados no CATV   
10.2.5 Visão Interna do Modem a Cabo 
10.2.5.1 O funcionamento básico do Modem a cabo  
10.2.6 Sistema de Terminação do Modem a Cabo  203
10.2.7 Padronização do Modem a cabo  
10.2.8 Os pros e os contras do modem a cabo
10.3 REDES WIRELESS  
10.3.1 Introdução  
10.3.1.1 Padrões de redes Wi-Fi      
10.3.1.2 Componentes de uma rede Wi-Fi.  
10.3.2 WIMAX   
10.3.2.1 Introdução a Redes WiMAX 
10.3.2.2 Conceito de WiMAX   
10.3.2.3 WiMAX Forum  
10.3.2.4 Protocolo WiMAX     
10.3.2.5 Arquitetura do WiMAX 
10.3.2.6 Tecnologias Competindo com o WiMAX
10.3.3 LTE (LONG TERM EVOLUTION)       
10.3.3.1 Atributos do LTE        
10.3.3.2 Modulação e Multiplexação no LTE    

CAPÍTULO 11 - NOVAS TECNOLOGIAS DE REDES WAN

11.1 INTRODUÇÃO         
11.2 METRO ETHERNET OU ETHERNET CARRIER    
11.2.1 Serviços padronizados 
11.2.2 Escalabilidade      
11.2.3 Confiabilidade      
11.2.4 Gerenciamento do Serviço   
11.2.5 Qualidade de Serviço (QoS)   
11.3.1 O básico da Cloud Computing 
11.3.2 O surgimento da Cloud Computing   
11.3.3 Vantagens da Cloud Computing  
11.3.4 Desvantagens da Cloud Computing 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 


Item 04: Fundamentos de Redes de Computadores - 700 Questões Resolvidas e Comentadas

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO AOS MODELOS TCP/IP E OSI

INTRODUÇÃO
1.1 UM POUCO DE HISTÓRIA DAS REDES DE COMPUTADORES
1.2 MODELO DE REFERÊNCIA DE INTERCONEXÃO OSI
1.2.1 O modelo OSI/ISO
1.2.2 A função de cada nível (camada) do protocolo OSI
1.2.3 Como as Camadas se Comunicam
1.3 MODELO DE REFERÊNCIA DE INTERCONEXÃO TCP/IP
1.3.1 Conceito do TCP/IP
1.3.1.1 Camada Física/Enlace (Host/Rede)
1.3.1.2 Camada de Rede (Inter-Rede)
1.3.1.3 Camada de Transporte
1.3.1.4 Camada de Aplicação
1.3.1.5 Modelo TCP/IP de 5 camadas (modelo híbrido)
1.3.2 Conceitos fundamentais da divisão por camadas
1.3.2.1 Encapsulamento
1.3.2.2 Desencapsulamento
1.3.2.3 Multiplexação
1.3.2.4 Demultiplexação
1.3.2.5 Fragmentação
1.4 COMPARAÇÃO ENTRE OS MODELOS DE REFERÊNCIA OSI E TCP/IP
1.5 CRÍTICAS AOS MODELOS DE REFERÊNCIA
1.6 RESUMO

CAPÍTULO 2 QUESTÕES GERAIS SOBRE OS MODELOS TCP/IP E OSI

INTRODUÇÃO
2.1  QUESTÕES RESOLVIDAS E COMENTADAS GENÉRICAS DO MODELO OSI E TCP/IP

CAPÍTULO 3 QUESTÕES SOBRE A CAMADA FÍSICA

INTRODUÇÃO
3.1  QUESTÕES RESOLVIDAS E COMENTADAS SOBRE A CAMADA FÍSICA

CAPÍTULO 4 QUESTÕES SOBRE A CAMADA DE ENLACE

INTRODUÇÃO
4.1  QUESTÕES RESOLVIDAS E COMENTADAS SOBRE A CAMADA DE ENLACE

CAPÍTULO 5 QUESTÕES SOBRE A CAMADA DE REDE

INTRODUÇÃO
5.1  QUESTÕES RESOLVIDAS E COMENTADAS SOBRE A CAMADA DE REDE

CAPÍTULO 6 QUESTÕES SOBRE A CAMADA DE TRANSPORTE

INTRODUÇÃO
6.1  QUESTÕES RESOLVIDAS E COMENTADAS SOBRE A CAMADA DE TRANSPORTE

CAPÍTULO 7 QUESTÕES SOBRE A CAMADA DE APLICAÇÃO

INTRODUÇÃO
7.1  QUESTÕES RESOLVIDAS E COMENTADAS SOBRE A CAMADA DE APLICAÇÃO

CONCLUSÃO
 


Item 05: Detectando e Solucionando Problemas de Comunicação em redes LAN e WAN - 2ª Edição - Revisada e Atualizada


CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO   17

1.1 INTRODUÇÃO   17

1.2 POR QUE PARA DETECTAR E SOLUCIONAR PROBLEMAS DE COMUNICAÇÃO É NECESSÁRIO DOMINAR OS CONCEITOS DAS CAMADAS DO MODELO OSI E TCP/IP?  17

1.3 METODOLOGIA USADA PARA SOLUCIONAR OS PROBLEMAS   18

1.4 INTRODUÇÃO AOS MODELOS OSI E TCP/IP   19

1.4.1 Básico do modelo OSI 20

1.4.2 Básico do modelo TC/IP   22

CAPÍTULO 2 CAMADA FÍSICA   27

INTRODUÇÃO   27

2.1 MEIO DE TRANSMISSÃO   27

2.1.1 Par metálico  28

2.1.2 Cabo coaxial 28

2.1.3 Fibra ótica  29

2.1.4 Rádio transmissão  30

2.1.5 Satélite  30

2.2 INTERFACES DE DADOS E VOZ PADRÕES DE MERCADO   32

2.2.1 V24  32

2.2.2 V35  33

2.2.3 V36  34

2.2.4 G703  35

2.2.5 RJ-45  36

2.2.6 RJ-11  37

2.2.7 V-21 ao V-92  37

2.3 INTERFACES DTE E DCE   38

2.4 EQUIPAMENTOS QUE OPERAM NA CAMADA FÍSICA   39

2.4.1 Modems  40

2.4.2 Multiplexador 40

2.4.3 Repetidor de Sinal 41

2.4.4 Hub  41

2.5 TOPOLOGIA UTILIZANDO OS CONCEITOS DA CAMADA FÍSICA   42

2.6 RESUMO   43

CAPÍTULO 3 CAMADA DE ENLACE   44

INTRODUÇÃO   44

3.1 FUNÇÃO DA CAMADA DE ENLACE   44

3.2 QUADRO OU FRAME   45

3.3 MODELO TCP/IP   45

3.4 PROTOCOLOS DA CAMADA DE ENLACE   46

3.4.1 Ethernet 47

3.4.1.1 Quadro Ethernet 47

3.4.1.2 Funcionamento do protocolo Ethernet 49

3.4.1.3 Notação Hexadecimal 50

3.4.1.4 ARP ou Address Resolution Protocol 53

3.4.1.5 Padrões Ethernet e tipo de cabeamento  53

3.4.1.6 Evolução da Ethernet 56

3.4.1.7 Topologias Ethernet 56

3.4.1.8 Método de acesso ao meio  57

3.4.1.9 Colisão  57

3.4.1.10 Desenvolvimento do padrão Ethernet 57

3.4.1.11 Hub  58

3.4.1.12 Switch   58

3.4.1.13 Informação complementar sobre o protocolo Ethernet 59

3.4.2 Protocolos de enlace na rede WAN   59

3.4.2.1 Quadro PPP   60

3.4.3 HDLC   61

3.4.3.1 Quadro HDLC   61

3.4.4 Frame Relay  62

3.4.4.1 Características  62

3.4.4.2 Quadro Frame Relay  64

3.4.4.3 Descrição dos campos do cabeçalho do Frame Relay  64

3.5 RESUMO   65

CAPÍTULO 4 CAMADA DE REDE   66

INTRODUÇÃO   66

4.1 CONCEITOS BÁSICOS DA CAMADA DE REDE   66

4.1.1 Função  66

4.1.2 Funcionamento  66

4.1.3 Protocolos da Camada de Rede  67

4.2 FUNCIONAMENTO DO PROTOCOLO ROTEÁVEL IP   67

4.2.1 Cabeçalho IP   69

4.2.2 Campos do Cabeçalho IP   69

4.2.3 Importância dos Campos de Endereço do cabeçalho IP   71

4.3 ENDEREÇAMENTO IP   72

4.3.1 Formato do endereço IP   73

4.3.2 Conversão binária para decimal 74

4.3.3 Determinando a Rede de um endereço IP   77

4.3.4 Aplicando a Máscara  77

4.3.5 Classes de Endereçamento IP   78

4.3.6 Identificando a Classe de um endereço IP   82

4.3.7 Endereços IP Especiais e Reservados  83

4.3.8 Exemplos de topologias de redes IP   85

4.3.9 Endereços de Sub-Rede  87

4.3.10 Criando Sub-Redes  87

4.3.11 Classificação dos endereços IP   93

4.3.12 Roteador 93

4.4 IPv6  94

4.4.1 Introdução ao IPv6. 94

4.4.2 Comparação entre cabeçalhos do IPv4 e do IPv6  95

4.4.3 Melhorias no cabeçalho IPv6  99

4.4.4 Cabeçalhos de extensão  99

4.4.5 Fragmentação no IPv6  101

4.4.6 Estrutura do Endereçamento IPv6  102

4.4.7 Alocação de Endereço IPv6  103

4.4.8 Sub-redes no IPv6  103

4.4.9 Representação dos Endereços no IPv6  104

4.4.10 Terminologia técnica do IPv6  105

4.4.11 O escopo do Endereçamento no IPv6  105

4.4.12 Tipos de endereços IPv6  106

4.4.13 Conjunto de Endereços de Interface  107

4.4.14 Tipos de Prefixo de Endereçamento  107

4.4.15 Roteamento no IPv6  107

4.5 OUTROS PROTOCOLOS DA CAMADA DE REDE   109

4.5.1 ICMP   109

4.5.2 ARP   111

4.6 PROTOCOLOS DE ROTEAMENTO   113

4.6.1 Rotas Estáticas e Dinâmicas  113

4.6.2 Roteamento Dinâmico  114

4.6.3 Distâncias Administrativas  115

4.6.4 Classe dos Protocolos de Roteamento  115

4.6.5 Vetor distância  116

4.6.5.1 RIP (Router Information Protocol) 116

4.6.6 Estado do Link  117

4.6.6.1 OSPF (Open Shortest Path First) 117

4.6.7 Algoritmo de protocolos de roteamento híbrido  118

4.6.7.1 EIGRP (Enhanced Interior Gateway Routing Protocol) 118

4.6.7.2 Diffusion Update Algorithm   119

4.7 Resumo  120

CAPÍTULO 5 SOLUCIONANDO PROBLEMAS NA CAMADA FÍSICA   121

5.1 INTRODUÇÃO   121

5.2 PLACA DE REDE   123

5.3 PROBLEMAS NA PONTA REMOTA   124

5.4 COMO DEFINIR SE O PROBLEMA ESTÁ NO CABEAMENTO OU NOS EQUIPAMENTOS?  125

5.5 RETRANSMISSÕES E ATRASOS NA COMUNICAÇÃO LOCAL  125

5.6 PROBLEMAS NA CAMADA FÍSICA EM REDES WAN   127

5.6.1 Roteadores de responsabilidade do usuário  127

5.6.1.1 Ausência de sinais na interface serial 127

5.6.1.2 Presença de sinais na interface serial 132

5.6.2 Roteadores de responsabilidade da operadora  133

5.7 EXEMPLOS DE FALHAS NA CAMADA FÍSICA EM REDES LAN   133

5.7.1 Problemas no cabo de conexão  133

5.7.1.1 Informações essenciais  134

5.7.1.2 Comentário relevante ao caso  135

5.7.2 Problemas na porta do Switch   137

5.7.3 Configuração na porta do Switch   138

5.8 EXEMPLOS DE FALHAS NA CAMADA FÍSICA EM REDES WAN   140

5.8.1 Problemas no cabo serial do Roteador 140

5.8.2 Ausência de clock na interface do roteador 142

5.8.3 Interface serial do Roteador desabilitada  144

CAPÍTULO 6 SOLUCIONANDO PROBLEMAS NA CAMADA DE ENLACE   146

6.1 INTRODUÇÃO   146

6.2 PROBLEMAS NA CAMADA DE ENLACE EM REDES LAN   147

6.3 PROBLEMAS NA CAMADA DE ENLACE EM REDES WAN   148

6.4 EXEMPLOS DE FALHAS NA CAMADA DE ENLACE   152

6.4.1 Introdução  152

6.4.2 Exemplo 1 problemas na Camada de Enlace  152

6.4.3 Exemplo 2 problemas na Camada de Enlace  157

6.4.4 Exemplo 3 problemas na Camada de Enlace  158

CAPÍTULO 7 SOLUCIONANDO PROBLEMAS NA CAMADA DE REDE   170

7.1 INTRODUÇÃO   170

7.2 OBSERVAÇÕES IMPORTANTES   170

7.3 COMPUTADORES EM REDES LÓGICAS DIFERENTES   171

7.4 COMPUTADORES SEM COMUNICAÇÃO EXTERNA   172

7.4.1 Problemas no endereço de gateway  172

7.4.2 Problemas no endereço das interfaces dos roteadores  174

7.4.3 Tabelas de rotas  176

7.4.4 Listas de acesso ou NAT  177

7.5 RESUMINDO   177

7.6 EXERCÍCIOS PRÁTICOS ENVOLVENDO A CAMADA DE REDE   177

7.6.1 Endereçamento e Gateway  177

7.6.2 Falha no Roteamento  179

7.6.3 Falha no Roteamento e endereçamento  180

7.6.4 Falha no Roteamento e NAT  181

7.6.5 Falhas diversas na camada de rede  182

CAPÍTULO 8 SOLUCIONANDO PROBLEMAS DIVERSOS   184

8.1 INTRODUÇÃO   184

8.2 EXERCÍCIOS COM FALHAS DIVERSAS   184

8.2.1 Primeira solução demonstrativa  184

8.2.1.1 Rede LAN0 do Switch0  186

8.2.1.2 Verificando a configuração do Router2  187

8.2.1.3 Verificando a configuração do Router1  188

8.2.1.4 Verificando a configuração do Router4  189

8.2.1.5 Verificando a configuração do Router3  189

8.2.2 Segunda solução demonstrativa  190

8.2.2.1 Descobrindo as redes das LANs  192

8.2.2.2 Testando a conectividade inicial 192

8.2.2.3 Descobrindo o endereço de gateway  193

8.2.2.4 Acessando o RouterMatriz  193

8.2.2.5 Verificando as estatísticas das interfaces do RouterMatriz  194

8.2.2.6 Descobrindo as configurações do RouterMatriz  195

8.2.2.7 Reconfigurando roteamento no RouterMatriz  195

8.2.2.8 Acessando o RouterFilial1  196

8.2.2.9 Descobrindo as configurações do RouterFilial1 e reconfigurando  197

8.2.2.10 Acessando o RouterInternet e reconfigurando roteamento  198

8.2.2.11 Acessando o RouterFilial2 e reconfigurando roteamento  199

8.2.2.12 Acessando o RouterFilial3 e reconfigurando roteamento  200

8.2.2.13 Testes de ping nas redes LANs distantes  201

8.2.3 Terceira solução demonstrativa  203

8.2.3.1 Testando a conectividade entre LANs  204

8.2.3.2 Descobrindo o Gateway do PC 0  204

8.2.3.3 Comando Telnet no PC 0  204

CAPÍTULO 9 SOLUCIONANDO DESAFIO FINAL   221

9.1 INTRODUÇÃO   221

9.2 ORIENTAÇÕES   221

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS   223

APÊNDICE A – CADASTRO NO BLOG INFRAESTRUTURA DE REDES   225

APÊNDICE B – INDICAÇÕES DE CURSOS ON-LINE/E-BOOKS POR ASSUNTO   226

APÊNDICE C – OUTRAS OBRAS DOS AUTORES   229


Item 06: Desvendando VLANs

CAPÍTULO 1- INTRODUÇÃO AO TCP/IP

INTRODUÇÃO

1.1 BÁSICO DO MODELO OSI

1.2 BÁSICO DO MODELO TC/IP.

CAPÍTULO 2- CAMADA DE ENLACE..

INTRODUÇÃO.

2.1 FUNÇÃO DA CAMADA DE ENLACE

2.2 QUADRO OU FRAME..

2.3 MODELO TCP/IP

2.4 PROTOCOLOS DA CAMADA DE ENLACE

2.4.1 Ethernet

2.4.1.1 Quadro Ethernet

2.4.1.2 Funcionamento do protocolo Ethernet 

2.4.1.3 Notação Hexadecimal 

2.4.1.4 ARP ou Address Resolution Protocol 

2.4.1.5 Padrões Ethernet e tipo de cabeamento. 

2.4.1.6 Evolução da Ethernet

2.4.1.7 Topologias Ethernet 

2.4.1.8 Método de acesso ao meio. 

2.4.1.9 Colisão. 

2.4.1.10 Desenvolvimento do padrão Ethernet 

2.4.1.11 Hub. 

2.4.1.12 Switch.

2.4.1.13 Informação complementar sobre o protocolo Ethernet

2.4.2 Protocolos de enlace na rede WAN..

2.4.2.1 Quadro PPP..

2.5 RESUMO..

CAPÍTULO 3- SWITCH.

INTRODUÇÃO.

3.1 CONCEITOS BÁSICOS DO PROTOCOLO ETHERNET. 

3.1.1 Domínio de Colisão.

3.1.2 Domínios de Broadcast

3.1.3 Características dos equipamentos usados na LAN.

3.2 OS BENEFÍCIOS DO USO DO SWITCH NA LAN.

3.2.1 Segmentação da rede LAN com os Switches.

3.2.2 Benefícios do uso dos Switches.

3.3 FUNÇÕES DO SWITCH..

3.4 OPERAÇÃO DO SWITCH.

3.4.1 Retransmissão dos Frames

3.4.2 Aprendendo o endereço MAC

3.4.2.1 Tabela de endereço MAC.

3.4.3 Loops na LAN.

3.4.3.1 Evitando os Loops

3.4.3.2 Spaning Tree Protocol 

3.5 TIPOS DE MEMÓRIA UTILIZADA PELO SWITCH..

3.5.1 Buffers de Memória baseada na Porta. 

3.5.2 Buffers de Memória Compartilhada

3.6 TIPOS DE COMUTAÇÃO DE FRAMES..

3.6.1 Comutação assimétrica.

3.6.2 Comutação simétrica

3.7 MÉTODO DE COMUTAÇÃO DOS SWITCHES

3.7.1 Cut-Through Forwarding. 

3.7.2 Store-and-Forward Forwarding.

3.7.3 Fragment-Free Forwarding

3.7.4 Adaptive cut-through.. 

3.8 COMPOSIÇÃO BÁSICA DE UM SWITCH DA ATUALIDADE.

3.9 SWITCH GERENCIÁVEL.

3.10 SWITCH DE NÍVEL 3. 

CAPÍTULO 4 -INTRODUÇÃO ÀS VLANS

INTRODUÇÃO.

4.1 CONCEITOS BÁSICOS DE VLAN

4.2 ESTRUTURA FÍSICA E LÓGICA DE UMA LAN.

4.3 TIPOS DE VLANS.

4.4 TIPOS DE LINK DA VLAN.

4.5 VLAN DEFAULT.

4.6 USOS PARA A VLAN

4.7 BENEFÍCIOS DAS VLANS..

4.8 RESUMINDO AS VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS VLANs

4.9 DIFERENÇAS ENTRE VLAN E VPN.

4.9.1 Revisando os conceitos de VLAN

4.9.2 VPN, o que vem a ser?

CAPÍTULO 5 -FUNCIONAMENTO DAS VLANs.

INTRODUÇÃO.

5.1 POR QUE CRIAR VLANS?.

5.2 MAS POR QUE AS VLANS NÃO PROPAGAM BROADCASTS?

5.3 COMO FUNCIONAM AS VLANS

5.4 LINKS DE ACESSO À VLAN

5.5 VLAN NATIVA NO IEEE 802.1Q

5.6 COMUNICAÇÃO ENTRE VLANS.

5.6 GERENCIANDO VLANS COM O PROTOCOLO VTP

CAPÍTULO 6- CONFIGURANDO VLANs NOS SWITCHES.

INTRODUÇÃO

6.1 CONFIGURANDO VLANS NO SWITCH CISCO

6.2 CONFIGURANDO VLAN NO SWITCH 3COM.

6.3 CONFIGURANDO VLAN NO SWITCH JUNIPER SÉRIE QFX3500.

6.4 CONFIGURANDO VLAN NO SWITCH HP 5820

6.4.1 Requerimentos da rede

6.4.2 Procedimentos de configuração. 98

6.4.3 Procedimentos de Verificação.

6.5 CONFIGURANDO VLAN DE VOZ NOS SWITCHES CISCO

6.6 CONFIGURANDO ROTEADOR CISCO PARA ENCAMINHAMENTO ENTRE VLANS.. 

6.7 CONFIGURANDO SWITCH CISCO MULTILAYER PARA ENCAMINHAMENTO ENTRE VLANS 

6.8 CONFIGURANDO A INTERFACE DO SWITCH MULTILAYER COM A INTERNET

6.9 GERENCIANDO VLANS EM SWITCHES CISCO COM O VTP

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

LIVROS/DOCUMENTOS CONSULTADOS

APÊNDICE A – Indicações de cursos on-line e e-books por assunto.

APÊNDICE B – Outras obras dos autores. 


Item 07 : ​Configuração de Roteadores e Switches Cisco - Nivel Básico

1- Introdução
2- Definição de Roteador
3- Características Básicas do Roteador
4- Conhecendo os Modelos de Roteadores Cisco
5- Conhecendo o Hardware do Roteador
6- Funcionamento Básico do Roteador
7- O Hardware Interno Básico
8- Inicializando o Roteador
9- Como acessar o Roteador
10- Processos na Inicialização do Roteador
11- Modos de Operação do Roteador
12- Recursos de ajuda
13- Acessando os Modos EXEC
14- Resumo dos Comandos
15- Comandos avançados de edição
16- Configurando o Roteador
17- Monitorando o Roteador
18- Conhecendo o Switch
19- Conhecendo o Switch Cisco
20- Conhecendo VLAN
21- Configurações do Switch Cisco
22- Criando VLANs
23- Atribuindo portas do Switch às VLANs
24- Configurando IP na VLAN
25- Configurando TRUNK no Switch
26- Removendo VLANs
27- Configurando Roteador para comunicação entre VLANs
 
* Observação: o acesso aos tópicos do curso é feito via hyperlinks no e-book


Item 08: Configuração de Roteadores e Switches Cisco - Nivel Intermediário

1- Introdução
2- Definição de Roteador
3- Características Básicas do Roteador
4- Conhecendo os Modelos de Roteadores Cisco
5- Conhecendo o Hardware do Roteador
6- Funcionamento Básico do Roteador
7- O Hardware Interno Básico
8- Inicializando o Roteador
9- Como acessar o Roteador
10- Processos na Inicialização do Roteador
11- Modos de Operação do Roteador
12- Recursos de ajuda
13- Acessando os Modos EXEC
14- Resumo dos Comandos
15- Comandos avançados de edição
16- Configurando o Roteador
17- Monitorando o Roteador
18- Conhecendo o Switch
19- Conhecendo o Switch Cisco
20- Conhecendo VLAN
21- Configurações do Switch Cisco
22- Criando VLANs
23- Atribuindo portas do Switch às VLANs
24- Configurando IP na VLAN
25- Configurando TRUNK no Switch
26- Removendo VLANs
27- Configurando Roteador para comunicação entre VLANs
 
* Observação: o acesso aos tópicos do curso é feito via hyperlinks no e-book


Item 09: Dominando o IPv6 A Partir do IPv4

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO AO TCP/IP.. 20

1.1 INTRODUÇÃO.. 20

1.2 BÁSICO DO MODELO OSI 21

1.3 BÁSICO DO MODELO TC/IP.. 23

1.4 EXERCÍCIOS.. 27

CAPÍTULO 2 A CAMADA DE REDE E O PROTOCOLO IPV4. 28

2.1 INTRODUÇÃO.. 28

2.2 CONCEITOS BÁSICOS DA CAMADA DE REDE.. 28

2.2.1 Função. 28

2.2.2 Funcionamento. 28

2.2.3 Protocolos da Camada de Rede. 29

2.3 FUNCIONAMENTO DO PROTOCOLO ROTEÁVEL IP.. 29

2.3.1 O que é o protocolo IP?. 30

2.3.2 Cabeçalho IP.. 31

2.3.2.1 Campos do Cabeçalho IP.. 31

2.3.3 Importância dos Campos do Cabeçalho do Protocolo IP.. 34

2.3.4 Conversão binária para decimal 34

2.3.5 Determinando a Rede de um endereço IP.. 37

2.3.6 Aplicando a Máscara. 38

2.3.7 Classes de Endereçamento IP.. 38

2.3.8 Identificando a Classe de um endereço IP.. 41

2.3.9 Endereços IP Especiais e Reservados. 42

2.3.10 Porque da utilização de endereços IPs de Sub-Rede. 43

2.4 EXERCÍCIOS.. 44

CAPÍTULO 3 INTRODUÇÃO AO IPV6. 46

3.1 INTRODUÇÃO.. 46

3.2 O QUE VEM A SER O IPV6?. 46

3.3 MOTIVAÇÃO DA CRIAÇÃO DO IPV6. 46

3.4 ENTENDA O PORQUÊ DO IPV4 ESTAR SE ESGOTANDO. 49

3.5 RECORDANDO A CONVERSÃO DECIMAL PARA BINÁRIO.. 53

3.5.1 Revisando o endereçamento IPv4. 53

3.6 CONVERSÃO DECIMAL PARA HEXADECIMAL. 56

3.7 OUTRAS CONSIDERAÇÕES INICIAIS SOBRE O IPV6. 59

3.8 EXERCÍCIOS.. 59

CAPÍTULO 4

4.1 INTRODUÇÃO.. 61

4.2 CABEÇALHOS.. 61

4.3 CAMPOS DO CABEÇALHO DO IPV6. 62

4.3.1 Version (Versão) 62

4.3.2 Tráfico Classe (Classe de Tráfego) 62

4.3.3 Flow Label (Rótulo do Fluxo) 63

4.3.4 Payload Lenght (Comprimento dos Dados Úteis) 63

4.3.5 Next Header (Próximo Cabeçalho) 64

4.3.6 Hop Limit (Limite de Saltos) 64

4.3.7 Source Address (Endereço de Origem) e Destination Address (Endereço de Destino) 65

4.4 CABEÇALHOS DE EXTENSÃO.. 65

4.4.1 Cabeçalho tipo zero (0) – Hop-by-Hop Options – RFC 2460. 67

4.4.2 Cabeçalho tipo 43 – Routing Options – RFC 2460. 68

4.4.3 Cabeçalho tipo 44 – Fragmentation Options – RFC 2460. 68

4.4.3.1 O que é MTU?. 68

4.4.3.2 MTU do Caminho, o que vem a ser?. 68

4.4.3.3 O que é e como é feita a Fragmentação?. 68

4.4.3.4 Quais as vantagens da Fragmentação?. 69

4.4.3.5 Como é descoberto a MTU do Caminho, ou Path MTU?. 71

4.4.4 Cabeçalho tipo 50 – Encapsulating Security Payload – RFC 2406. 71

4.4.5 Cabeçalho tipo 51 – Authentication Options – RFC 2402. 72

4.4.6 Cabeçalho tipo 60 – Destination Options – RFC 2460. 72

4.4.7 Cabeçalho tipo 59 – No Next Header – RFC 2460. 72

4.4.8 Cabeçalho tipo 58 – ICMPv6 – RFC 2463. 72

4.4.8.1 Mas afinal, o que é Neighbor Discovery?. 73

4.5 EXERCÍCIOS.. 73

CAPÍTULO 5 ENDEREÇAMENTO IPV6. 75

5.1 INTRODUÇÃO.. 75

5.2 ENDEREÇAMENTO IPV6. 75

5.2.1 Estrutura Hierárquica do Endereçamento IPv6. 80

5.3 RECOMENDAÇÕES PARA DESIGNAÇÃO DE ENDEREÇOS IPV6. 83

5.4 ENDEREÇAMENTO UNICAST. 84

5.4.1 Aggregatable Global Unicast Address. 85

5.4.2 Interface ID, EUI 64 ou endereço único da interface. 87

5.4.3 Link Local Unicast Address. 90

5.4.4 Unique Local Address (ULA) 90

5.4.5 Loopback address. 92

5.4.6 Unspecified address. 93

5.4.7 IPV4-Compatible IPV6 Address. 93

5.4.8 Outros endereços IPv6 especiais. 94

5.5 ENDEREÇAMENTO ANYCAST. 94

5.5.1 Endereços Anycast Especiais. 96

5.6 ENDEREÇAMENTO MULTICAST. 97

5.6.1 Gerenciamento de Grupos Multicast 103

5.7 SUB-REDES NO IPV6. 104

5.8 MÉTODO PARA FORMAR AS SUB-REDES NO IPV6. 107

5.9 COMO IDENTIFICAR AS SUB-REDES EM IPV6. 110

5.10 EXERCÍCIOS.. 111

CAPÍTULO 6 ROTEAMENTO NO IPV6. 113

6.1 INTRODUÇÃO.. 113

6.2 FUNDAMENTOS DO PROCESSO DE ROTEAMENTO.. 113

6.3 TABELA DE ROTAS.. 115

6.4 PROTOCOLO DE ROTEAMENTO RIPNG OU RIP NEXT GENERATION.. 115

6.4.1 Resumo do RIPng. 117

6.4.2 Limitações do RIPng. 118

6.4.3 Atualização da tabelas de rotas. 118

6.4.4 Detalhamento da RTE.. 118

6.4.4.1 Componentes do RTE (route table entry) 118

6.5 PROTOCOLO DE ROTEAMENTO OSPF.. 118

6.5.1 OSPFng ou OSPF Next Generation ou ainda, OSPFv3. 119

6.5.1.1 Procedimento de roteamento no Link (IPv6) versus Sub-rede (IPv4). 119

6.5.1.2 Removida a referência de Endereçamento. 119

6.5.1.3 Escopo dos Fluxos de Dados. 119

6.5.2 Resumindo o OSPF. 120

6.5.3 Semelhanças entre OSPFv2 e OSPFng. 121

6.5.4 Diferenças entre OSPFv2 e OSPFng. 121

6.6 PROTOCOLO BGP 4 OU BORDER GATEWAY PROTOCOL VERSÃO 4. 122

6.6.1 Como Funciona o BGP?. 122

6.6.2 Neighbors e Peers no BGP.. 122

6.6.3 As Mensagens BGP.. 123

6.7 RESUMINDO OS PROTOCOLOS DE ROTEAMENTO.. 124

6.8 EXERCÍCIOS.. 124

CAPÍTULO 7 SERVIÇOS BÁSICOS.. 126

7.1 INTRODUÇÃO.. 126

7.2 SERVIÇOS BÁSICOS IPV6. 126

7.3 ICMPv6. 126

7.4 MENSAGENS DO ICMPV6. 127

7.4.1 Mensagens de Erro. 127

7.4.2 Mensagens de Informação. 127

7.4.3 Detalhamento das Mensagens de Erro. 128

7.4.3.1 Destination Unreachable. 128

7.4.3.2 Packet Too Big. 129

7.4.3.3 Time Exceeded. 129

7.4.3.4 Parameter Problem.. 129

7.5 NEIGHBOR DISCOVERY.. 130

7.5.1 Router Solicitation.. 131

7.5.2 Router Advertisement 134

7.5.3 Neighbor Solicitation.. 137

7.5.4 Neighbor Advertisement 139

7.5.5 Redirect Message. 139

7.5.6 Resumo dos Comandos do Neighbor Discovery Protocol 141

7.5.6.1 Descoberta de vizinhança. 142

7.6 AUTOCONFIGURAÇÃO IPV6. 143

7.6.1 Passos para a Autoconfiguração. 143

7.6.2 Autoconfiguração Stateless. 145

7.6.3 Autoconfiguração Stateful 145

7.7 FRAGMENTAÇÃO IPV6. 145

7.7.1 Cabeçalho de Fragmentação. 146

7.8 PATH MTU OU MTU DO CAMINHO.. 146

7.9 IPv6 DNS.. 148

7.9.1 Os Registros importantes do DNS.. 149

7.9.2 Resolução de Nomes. 149

7.9.2.1 Resolução de Nomes utilizando Registros de recursos AAAA.. 149

7.9.2.2 Resolução de Nomes utilizando Registros A6. 150

7.9.3 Resumindo o DNS para o IPv6. 150

7.10 QOS OU QUALITY OF SERVICE.. 152

7.10.1 Os Campos de QoS no cabeçalho IPv6. 153

7.11 DHCPv6. 153

7.11.1 Mensagens do DHCPv6. 154

7.11.2 Modos de operação do DHCPv6. 155

7.12 EXERCÍCIOS.. 155

CAPÍTULO 8 MOBILIDADE E SEGURANÇA NO IPV6. 157

8.1 INTRODUÇÃO.. 157

8.2 MOBILIDADE IP OU MOBILE IP.. 157

8.3 MOBILIDADE SUPORTADA PELO IPV6. 158

8.3.1 As Bases da Mobilidade IPv6. 158

8.3.2 Modos de Nós Correspondentes. 159

8.3.3 Mobilidade IPv6 comparada com Mobilidade IPv4. 161

8.3.4 Resumindo sobre mobilidade IP. 161

8.3.5 Como opera o Proxy para Mobilidade IPv6?. 162

8.3.6 Funções do MAG e do LMA.. 163

8.3.6.1 Mobile Access Gateway (MAG) 163

8.3.6.2 Local Mobility Anchor (LMA) 164

8.4 SEGURANÇA NO IPV6. 165

8.4.1 IP Security Protocol (IPsec) 166

8.4.2 Layer Two Tunneling Protocol. RFC 2661. 166

8.4.3 Tornando mais específicas as informações sobre IPsec. 169

8.4.4 Modos de Operação do Ipsec. 169

8.4.4.1 Modo de Transporte. 169

8.4.4.2 Modo Túnel (VPN de camada 3) 169

8.4.5 Recursos do IPSec. 170

8.4.5.1 Authentication Header (AH) 170

8.4.5.2 Encapsulating Security Payload (ESP) 171

8.4.5.3 Internet Key Exchange (IKE) 171

8.4.6 Secure Neighbor Discovery (SEND) 172

8.5 EXERCÍCIOS.. 173

CAPÍTULO 9 COEXISTÊNCIA DO IPV4 COM O IPV6. 175

9.1 INTRODUÇÃO.. 175

9.2 COEXISTÊNCIA ENTRE IPV4 E IPV6. 175

9.3 VANTAGENS DO IPV6. 175

9.4 FORMAS DE COEXISTÊNCIA ENTRE IPV4 E IPV6. 176

9.4.1 Dual Stack ou Pilha Dupla. 176

9.4.1.1 Características técnicas da Pilha Dupla. 177

9.4.2 Tunelamento. 177

9.4.2.1 Modos de Tunelamento. 178

9.4.2.1.1 Modo de Tunelamento de Roteador a Roteador 178

9.4.2.1.2 Modo de Tunelamento de Host a Roteador e de Roteador a Host 179

9.4.2.1.3 Modo de Tunelamento de Host a Host 180

9.4.2.2 Técnicas de Tunelamento do IPv6 no IPv4. 180

9.4.2.2.1 Técnica de Tunelamento 6to4. 180

9.4.2.2.2 Técnica de Tunelamento 6to4 Relay. 183

9.4.2.2.2.1 Elementos do Tunelamento 6to4. 184

9.4.2.2.3 Técnica de Tunelamento ISATAP.. 184

9.4.2.2.4 Técnicas de Tunelamento Brokers. 186

9.4.2.2.5 Técnicas de Tunelamento GRE.. 187

9.4.2.2.6 Técnica de Tunelamento TEREDO.. 187

9.4.2.2.7 Técnica de Tunelamento 6over4 (IPv6-over-IPv4) 190

9.4.2.2.8 Técnica de Tunelamento 6rd. 190

9.4.2.2.9 Técnica de Encapsulamento 6in4. 193

9.4.3 Técnicas Mistas de Pilha Dupla e Tunelamento. 194

9.4.3.1 Tunelamento Dual Stack Lite (DS-Lite) 194

9.4.3.2 Tunelamento 4rd. 196

9.4.4 Tradução. 199

9.4.4.1 Técnicas de Tradução. 200

9.4.4.1.1 Técnicas IVI, dIVI e dIVI-pd. 200

9.4.4.1.2 Técnica dIVI e dIVI-pd. 205

9.4.4.1.3 Técnica NAT64 e DNS64. 206

9.4.4.1.4 Técnica 464XLAT. 208

9.4.4.1.5 Técnica 6PE e 6VPE.. 211

9.4.4.1.6 Técnica SIIT. 212

9.4.4.1.7 Técnica BIS.. 212

9.4.4.1.8 Técnica BIA.. 213

9.4.4.1.9 Técnica TRT. 213

9.4.4.1.9.1 Mas afinal o que é DNS-ALG?. 213

9.4.4.1.10 Considerações finais sobre mecanismos de transição. 214

9.5 CONCLUSÃO DO CAPÍTULO.. 215

9.6 EXERCÍCIOS.. 215

CAPÍTULO 10 CONFIGURANDO O IPV6. 217

10.1 INTRODUÇÃO.. 217

10.2 CONFIGURANDO O IPv6 NO PC WINDOWS XP.. 217

10.3 CONFIGURANDO O IPv6 NO PC WINDOWS 7 ULTIMATE.. 221

10.4 O IPv6 NA LAN da Matriz. 223

10.4.1 Comentários sobre o IPv6 na LAN.. 227

10.5 INTERCONECTANDO REDES LANs COM O IPv6. 227

10.6 CONECTANDO AS REDES LANs COM A INTERNET VIA IPv6. 231

10.7 A AUTOCONFIGURAÇÃO NO IPv6. 233

10.7.1 Autoconfiguração Stateless. 233

10.7.2 Autoconfiguração Stateful 235

10.8 CONFIGURANDO ROTEAMENTO NO IPv6. 238

10.8.1 Introdução. 238

10.8.2 Configurando parâmetros do IPv6. 239

10.8.2.1 Configurando IPv6 no Router0 da Topologia Rotas Estáticas. 241

10.8.2.2 Configurando IPv6 no PC0 da LAN A da Topologia Rotas Estáticas. 241

10.8.2.3 Configurando IPv6 no Router1 da Topologia Rotas Estáticas. 242

10.8.2.4 Configurando IPv6 no PC2 da LAN B da Topologia Rotas Estáticas. 243

10.8.2.5 Configurando IPv6 no Router2 da Topologia Rotas Estáticas. 244

10.8.2.6 Configurando IPv6 no Router3 da Topologia Rotas Estáticas. 245

10.8.3 Configurando Rotas Estáticas no IPv6. 245

10.8.4 Configurando Rotas Dinâmicas no IPv6. 248

10.8.4.1 Introdução. 248

10.8.4.2 Roteamento dinâmico RIPng. 248

10.8.4.3 Roteamento dinâmico OSPFng em Área única. 251

10.8.4.4 Roteamento dinâmico OSPFng em diferentes Áreas. 254

10.8.4.5 Roteamento dinâmico BGP4. 258

10.9 CONFIGURANDO TÉCNICAS DE COEXISTÊNCIA ENTRE IPv4/IPv6. 264

10.9.1 Introdução. 264

10.9.2 Pilha Dupla ou Dual Stack. 264

10.9.2.1 Configurações do Roteador da Rede A.. 267

10.9.2.2 Configurações do Roteador da Rede B.. 267

10.9.2.3 Topologia Dual Stack com conexão Internet 268

10.9.2.3.1 Configurando Roteador da Rede A.. 270

10.9.2.3.2 Configurando Roteador da Rede B.. 271

10.9.4 Topologia Dual Stack e Tunelamento GRE.. 273

10.10 CONFIGURANDO TUNELAMENTO 6to4. 277

10.10.1 Topologia Tunelamento 6to4. 277

10.10.2 Configurações do Roteador R1 da Topologia Tunelamento 6to4. 278

10.10.3 Configurações do Roteador R2 da Topologia Tunelamento 6to4. 279

10.10.4 Testes de ping do PC1 para o PC2. 280

10.11 CONFIGURANDO TUNELAMENTO 6to4 RELAY.. 282

10.11.1 Topologia Tunelamento 6to4 Relay. 282

10.11.1.1 Configurações do Roteador INTERNET da Topologia Tunelamento 6to4 Relay. 282

10.11.1.2 Configurações dos Roteadores R2 e R1 da Topologia Tunelamento 6to4 Relay  283

10.11.2 Testes de ping do PC1 para o PC2 e para a INTERNET. 284

CAPÍTULO 11 MATEMÁTICA BÁSICA PARA COMPUTAÇÃO.. 285

11.1 INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS NUMÉRICOS.. 285

11.2 SISTEMA DECIMAL. 285

11.3 POTENCIAÇÃO.. 286

11.3.1 Propriedades da Potenciação. 286

11.4 SISTEMA BINÁRIO.. 287

11.4.1 Pequeno Histórico do Sistema Binário. 287

11.4.2 Sistema Binário na Prática. 288

11.5 SISTEMA HEXADECIMAL. 289

11.5.1 Sistema Hexadecimal na Prática. 290

11.6 CONVERSÃO DE BASE NUMÉRICA.. 291

11.6.1 Transformando Decimal em Binário. 291

11.6.1.1 Transformando Decimal em Binário pelo Uso do Valor Posicional 291

11.6.1.2 Transformando Decimal em Binário por Divisões Sucessivas. 292

11.6.2 Transformando Binário em Decimal 292

11.6.3 Conversão Decimal para Hexadecimal 293

11.6.3.1 Método das divisões sucessivas. 293

11.6.3.2 Método da conversão decimal para binário e depois binário para hexadecimal 294

11.6.4 Conversão Hexadecimal para Decimal 296

11.7 COMBINAÇÕES EM BINÁRIO. 297

11.8 OPERAÇÃO LÓGICA AND.. 299

CONCLUSÃO.. 300

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.. 301

APÊNDICE A – CADASTRO NO BLOG INFRAESTRUTURA DE REDES.. 303

APÊNDICE B – INDICAÇÕES DE CURSOS ON-LINE/E-BOOKS POR ASSUNTO.. 304

APÊNDICE C – CURSOS ON-LINE DOS AUTORES.. 307

APÊNDICE D – OUTROS E-BOOKS/LIVROS DOS AUTORES.. 308

APÊNDICE E – VIDEOAULAS DOS AUTORES.. 309


Item 10: Dominando Sub-Redes no IPv4 e IPv6

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO AO TCP/IP   15

1.1 INTRODUÇÃO   15

1.2 BÁSICO DO MODELO OSI 16

1.3 BÁSICO DO MODELO TC/IP   18

1.4 EXERCÍCIOS   21

CAPÍTULO 2 PROTOCOLO IP E A CAMADA DE REDE   22

2.1 INTRODUÇÃO   22

2.2 CONCEITOS BÁSICOS DA CAMADA DE REDE   22

2.2.1 Função  22

2.2.2 Funcionamento  22

2.2.3 Protocolos da Camada de Rede  23

2.3 FUNCIONAMENTO DO PROTOCOLO ROTEÁVEL IP   23

2.3.1 O que é o protocolo IP?  24

2.3.2 Cabeçalho IP   25

2.3.2.1 Campos do Cabeçalho IP   25

2.3.3 Importância dos Campos do Cabeçalho do Protocolo IP   28

2.3.4 Conversão binária para decimal 28

2.3.5 Determinando a Rede de um endereço IP   30

2.3.6 Aplicando a Máscara  31

2.3.7 Classes de Endereçamento IP   32

2.3.8 Identificando a Classe de um endereço IP   35

2.3.9 Endereços IP Especiais e Reservados  36

2.3.10 Porque da utilização de endereços IPs de Sub-Rede  37

2.4 EXERCÍCIOS   38

CAPÍTULO 3 CRIANDO SUB-REDES EM REDES IPV4  40

3.1 INTRODUÇÃO   40

3.2 CRIANDO SUB-REDES A PARTIR DE UM ENDEREÇO DE REDE PADRÃO   41

3.2.1 Sub-rede com endereço IP classe C   41

3.2.2 Sub-rede com endereço IP classe B   45

3.2.3 Sub-rede com endereço IP classe A   47

3.2.4 Descubra se um IP dado pertence a um host, rede ou sub-rede  48

3.2.5 Resumo de sub-redes  50

3.3 EXERCÍCIOS   50

CAPÍTULO 4 VLSM (VARIABLE LENGHT MASK) 52

4.1 INTRODUÇÃO AO VLSM   52

4.2 CRIANDO SUB-REDES COM MÁSCARA VARIÁVEL (VLSM) 52

4.3 EXERCÍCIOS   62

CAPÍTULO 5 CIDR (CLASSLESS INTER-DOMAIN ROUTING) 63

5.1 INTRODUÇÃO AO CIDR   63

5.2 CIDR NA PRÁTICA   63

5.3 EXERCÍCIOS   70

CAPÍTULO 6 INTRODUÇÃO AO IPV6  71

6.1 INTRODUÇÃO   71

6.2 EXAUSTÃO DO IPV4. 71

6.3 COMPARAÇÃO ENTRE CABEÇALHOS DO IPV4 E DO IPV6  71

6.4 MELHORIAS NO CABEÇALHO IPV6  75

6.4.1 Cabeçalhos de extensão  75

6.5 FRAGMENTAÇÃO NO IPV6  77

6.6 ESTRUTURA DO ENDEREÇAMENTO IPV6  78

6.7 ALOCAÇÃO DE ENDEREÇO IPV6  79

6.8 INTRODUÇÃO ÀS SUB-REDES NO IPV6  79

6.9 REPRESENTAÇÃO DOS ENDEREÇOS NO IPV6  80

6.10 TERMINOLOGIA TÉCNICA DO IPV6  81

6.11 O ESCOPO DO ENDEREÇAMENTO NO IPV6  81

6.12 TIPOS DE ENDEREÇOS IPV6  82

6.13 CONJUNTO DE ENDEREÇOS DE INTERFACE   83

6.14 TIPOS DE PREFIXO DE ENDEREÇAMENTO   83

6.15 ROTEAMENTO NO IPV6  83

6.16 EXERCÍCIOS   85

CAPÍTULO 7 CRIANDO SUB-REDES EM REDES IPV6  86

7.1 INTRODUÇÃO   86

7.2 CRIANDO SUB-REDES EM REDES IPV6  86

7.3 FORMATO DOS ENDEREÇOS IPV6  87

7.4 ATRIBUIÇÕES DE ENDEREÇOS IPV6  95

7.5 A LÓGICA DA CRIAÇÃO DE SUB-REDES NO IPV6  98

7.6 MÉTODO PARA FORMAR AS SUB-REDES NO IPV6  101

7.7 COMO IDENTIFICAR AS SUB-REDES EM IPV6  103

7.8 EXERCÍCIOS   106

CAPÍTULO 8 BOAS PRÁTICAS NA ALOCAÇÃO DE SUB-REDES EM IPv6  108

8.1 INTRODUÇÃO   108

8.2 VANTAGENS DE UM BOM PLANO DE ENDEREÇAMENTO   108

8.3 BOAS PRÁTICAS   109

8.3.1 Criar sub-redes utilizando 4 bits ou múltiplos  109

8.3.2 Separar blocos criados para a infraestrutura  111

8.3.3 Atribuir endereços de loopback utilizando a primeira sub-rede /64 criada  112

8.3.4 Utilizar nos links ponto-a-ponto endereços /127 ou /126  112

8.3.5 Prefixos de tamanhos coerentes para cada nível hierárquico dentro da rede  112

8.4 DISTRIBUIÇÃO USUAL DOS PREFIXOS IPv6  112

8.4.1 Distribuição de endereços IPv6  113

8.5 Ordem de alocação  114

8.5.1 Rightmost 115

8.5.2 Leftmost 116

8.5.3 Reservar Blocos ou pular 118

8.6 EXERCÍCIOS   120

CAPÍTULO 9 ESTUDOS DE CASO SEGMENTANDO UMA REDE LAN   121

9.1 INTRODUÇÃO   121

9.2 SEGMENTANDO UMA REDE LAN IPv4  121

9.2.1 Calculando as sub-redes /24  122

9.2.2 Designando as sub-redes /24 para os setores  123

9.2.3 Definindo as VLANs para cada setor 123

9.2.3.1 Setor de Administração  123

9.2.3.2 Setor Comercial 123

9.2.3.3 Setor de Assistência Técnica  124

9.2.3.4 Setor de Produção  124

9.2.3.5 Setor da Direção  124

9.2.4 Topologia da rede segmentada  124

9.2.5 Configurando os elementos de rede  125

9.2.5.1 Configurando o Roteador no usuário  125

9.2.5.2 Configurando o Switch Core  127

9.2.5.3 Configurando os Switches dos setores  129

9.3 SEGMENTANDO UMA REDE LAN IPV6  130

9.3.1 Cálculos das sub-redes  132

9.3.1.1 Considerações sobre os cálculos das sub-redes  132

9.3.1.2 Escolhendo as sub-redes para as VLANs (redes virtuais) 134

9.3.2 Topologia exemplo criada no simulador de redes  137

9.3.3 Criação das VLANs  137

9.3.3.1 Switch Core  137

9.3.4 Configurando as portas do switch core  138

9.3.5 Designando portas às VLANs  139

9.3.5.1 Vlan2  139

9.3.5.2 Vlan3  140

9.3.5.3 Vlan4  140

9.3.5.4 Vlan5  141

9.3.5.5 Vlan6  141

9.3.6 Configurando o roteador no usuário  141

9.3.6.1 Configurando as interfaces e roteamento do roteador no usuário  141

CAPÍTULO 10 MATEMÁTICA PARA O SISTEMA BINÁRIO E HEXADECIMAL   144

10.1 INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS NUMÉRICOS   144

10.2 SISTEMA DECIMAL  144

10.3 POTENCIAÇÃO   145

10.3.1 Propriedades da potenciação: 145

10.4 SISTEMA BINÁRIO   146

10.4.1 Pequeno histórico do sistema binário  146

10.4.2 Sistema binário na prática  147

10.5 CONVERSÃO DE BASE NUMÉRICA   148

10.5.1 Transformando decimal em binário pelo uso do valor posicional 148

10.5.2 Transformando decimal em binário por divisões sucessivas  149

10.5.3 Transformando binário em decimal 149

10.6 COMBINAÇÕES EM BINÁRIO. 150

10.7 OPERAÇÃO LÓGICA AND   151

10.8 SISTEMA HEXADECIMAL  152

10.8.1 Pequeno histórico do sistema hexadecimal 152

10.8.2 Sistema hexadecimal na prática  153

10.8.3 O hexadecimal e o Nibble  154

10.8.4 Conversão de base numérica com hexadecimais  154

10.8.5 Transformando decimal em hexadecimal pelo uso do valor posicional 155

10.8.6 Transformando decimal em hexadecimal por divisões sucessivas  156

10.8.7 Transformando hexadecimal em decimal 157

10.8.8 Transformando hexadecimal em binário  157

10.8.9 Transformando binário em hexadecimal 158

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS   160

APÊNDICE A – CADASTRO NO BLOG INFRAESTRUTURA DE REDES   162

APÊNDICE B – INDICAÇÕES DE CURSOS ON-LINE/E-BOOKS POR ASSUNTO   163

APÊNDICE C – OUTRAS OBRAS DOS AUTORES   165

PARA COMPRAR ESTE E-BOOK, CLIQUE AQUI!




Conheça nossas formações completas online:
MCSA no Windows Server 2012 - Inscreva-se já - Últimas Vagas! Windows Server 2008 - Inscreva-se já -s Últimas Vagas!

Universidade PHP - Inscreva-se já -s Últimas Vagas! Curso Completo de SAP!

Deixe seu comentário:
Livros do autor Júlio Battisti

Ebooks de Redes e TCP/IP
Pacote de E-books: Universidade Redes, TCP/IP, Roteadores Cisco, Redes WAN, Subnetting, IPV6 e Cabeamento Estruturado
Pacote de E-books: Curso Básico de Redes para Iniciantes - Inclui Redes WAN - 555 Questões Resolvidas e Comentadas
Aprenda com Júlio Battisti: TCP/IP - Teoria e Prática em Redes Windows
E-book: Configuração de Roteadores e Switches Cisco - Nivel Básico + Intermediário
Redes de Computadores - Curso Básico - Interativo
Access Video-Aulas Banco de Dados Bíblia do Windows Server 2012 Formação SAP Excel Java Webdesign Hardware Universidade Android Concursos Universidade Java Linux Montagem Android Programação Universidade Excel Redes Bíblia do VBA Criação de Sites Segurança SAP Windows Delphi Bíblia do Excel

Livros

  • Administração
  • Excel
  • Programação
  • Windows/Linux
  • Redes
  • + Todas as categorias
  • E-books

  • Access
  • Excel
  • Programação
  • Windows/Linux
  • Redes
  • + Todas as categorias
  • Vídeo-Aulas

  • Access
  • Excel
  • Programação
  • Windows/Linux
  • Redes
  • + Todas as categorias
  • Cursos Online

  • Banco de Dados
  • Carreira
  • Criação/Web
  • Excel/Projetos
  • Formação
  • + Todas as categorias
  • Minhas Informações

  • Efetuar login
  • Meus pedidos
  • Meu cadastro
  • Meu pedido
  • Institucional

  • Quem somos
  • Garantia de entrega
  • Formas de Pagamento
  • Contato
  • O Autor
  • Endereço

  • Júlio Battisti Livros e Cursos Ltda
  • CNPJ: 08.916.484/0001-25
  • Rua Vereador Ivo Cláudio Weigel, 537 Universitário
  • Santa Cruz do Sul/RS
  • CEP 96816-208

  • Atendimento: (51) 3717-3796 - webmaster@juliobattisti.com.br Todos os direitos reservados, Júlio Battisti 2001-2017 ©

    [LIVRO]: MACROS E PROGRAMAÇÃO VBA NO EXCEL 2010 - PASSO-A-PASSO

    APRENDA COM JULIO BATTISTI - 1124 PÁGINAS: CLIQUE AQUI